Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Polícia prende skinhead condenado por obrigar jovens a pular de trem em Mogi das Cruzes

Vinicius Parizatto estava foragido e foi abordado pela polícia em Guarulhos; crime ocorreu em 2003 e ele havia sido condenado a mais de 31 anos de prisão

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 08h36

SÃO PAULO - A Polícia Militar prendeu, na noite deste domingo, 11, um homem condenado por obrigar jovens a pular de um trem em movimento, em dezembro de 2003, em Mogi das Cruzes, Região Metropolitana de São Paulo. Ele estava foragido.

Vinicius Parizatto foi preso por volta das 21h20 na rodovia Ayrton Senna, no KM 28, em Guarulhos, após uma abordagem padrão da polícia ao carro em que ele estava.

Ao verificar identidade, os agentes constataram que ele era foragido, responsável pelo episódio que terminou com a morte de Cleiton da Silva Leite e a amputação do braço de Flávio Augusto do Nascimento Cordeiro.

Segundo a PM, Parizatto não resistiu à prisão e foi encaminhado para a 4ª Delegacia de Polícia de Guarulhos. Ele já havia cumprido pena, mas foi solto para aguardar o julgamento em liberdade. Em 2011, ele havia sido condenado a 31 anos, nove meses e três dias de prisão.

Outros dois homens também participaram do crime: Juliano Aparecido de Freitas foi condenado a 24 anos e 6 meses de prisão pela morte de Cleiton e tentativa de homicídio de Flávio. Já Danilo Gimenez Ramos aguarda julgamento de recurso.

Relembre. Cleiton e Flávio tinham saído para passear no dia 7 de dezembro de 2003 quando encontraram o grupo de skinheads, que os obrigaram a pular de um trem em movimento nas proximidades da estação Brás Cubas, em Mogi das Cruzes.

O primeiro jovem sofreu morte cerebral uma semana após o crime. Ele estava internado em estado grave, com traumatismo craniano e perda de massa encefálica. Seus órgãos foram doados.

Mais conteúdo sobre:
homicídio skinhead

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.