Valéria Gonçalvez/Estadão
Valéria Gonçalvez/Estadão

Polícia prende possível número 1 do tráfico na Cracolândia e outros 10

Investigações apontam Givanildo Ferreira da Silva como o principal atacadista na região; entre os detidos, há também cinco mulheres

O Estado de S. Paulo

03 Julho 2015 | 09h23

SÃO PAULO - Uma operação da Polícia Civil terminou nesta quinta-feira, 2, com a prisão de onze pessoas ligadas ao tráfico de drogas na Cracolândia, na região central da capital paulista, entre elas cinco mulheres e um homem apontado pelas investigações como o número um do tráfico na região. Com os suspeitos, foram apreendidos R$ 66,8 mil e 8,5 quilos de crack, além de veículos, duas armas de fogo e produtos usados para misturar drogas.   

Ao todo, 14 suspeitos foram identificados pelo Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), durante investigação iniciada há quatro meses. Eles são apontados como os principais responsáveis por abastecer o "fluxo" da Cracolândia.

As prisões aconteceram na casa dos acusados, nas zona leste (Itaquera, Lageado e Guaianazes), norte (Cachoeirinha) e também no centro, entre a noite de quarta-feira, 1º, e a manhã da quinta, 2. Dos presos, três eram "mulas" - como são chamadas pessoas que escondem e transportam as drogas.

Givanildo Ferreira da Silva, conhecido como Alemão, é apontado como o principal atacadista do esquema. Silva foi flagrado com R$ 29 mil, além de dois quilos de crack. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), ele tem passagem por receptação. Outros quatro presos também têm antecedentes.

Uma das mulheres detidas, conhecida como Tia, é acusada de participar do tráfico há 18 anos na Cracolândia. Com ela, os policiais apreenderam R$ 37,8 mil e um quilo de crack.

O restante da droga, cerca de 5,5 kg, foram encontrados com um homem que atuaria na região há cinco anos. As investigações apontam que ele adquiria a droga com Silva para depois distribuir para os usuários da região.

Mais conteúdo sobre:
Cracolândia São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.