Reprodução
Reprodução

Polícia prende homem suspeito de ataques com seringa no Metrô

De acordo com as investigações, o morador de rua, de 62 anos, pode estar envolvido em um total de 26 ataques

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2016 | 17h05

SÃO PAULO - A Polícia Civil prendeu na noite desta terça-feira, 20, um morador de rua de 62 anos, suspeito usar uma seringa para ferir pessoas em estações do Metrô de São Paulo. De acordo com as investigações, o homem pode estar envolvido em um total de 26 ataques. Ele foi reconhecido por vítimas de agressões cometidas nas Estações Sé, no centro, e Paraíso, na zona sul da capital.

Benedito José da Rocha foi detido na Estação Barra Funda, na zona oeste de São Paulo, ao tentar embarcar em uma das composições por volta das 19 horas. “Tínhamos o retrato falado dele e as equipes que estavam trabalhando na plataforma o identificaram. Ele é a cara do retrato falado”, afirma o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, diretor do Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas (Decade).

Os policiais apreenderam 21 seringas com o homem. Na Delegacia do Metropolitano (Delpom), o suspeito teria confessado os crimes, mas os agentes perceberam que o relato não tinha consistência. “Ele começava a falar, depois desconversava”, diz o diretor do Decade. “Ele falou que era uma brincadeira para assustar as pessoas.” Para os investigadores, o homem tem problemas mentais, motivo pelo qual deve ser encaminhado para internação. Ele aguarda avaliação psiquiátrica. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), foi pedida prisão temporária.

Histórico. O ataque na Estação Paraíso, da Linha 1-Azul, aconteceu no dia 18 de agosto. A vítima, uma estudante de 18 anos, afirmou que o homem se posicionou entre ela e a mãe, na escada rolante, e que sentiu um incômodo na região da nádega. "Na hora, não senti absolutamente nada. Na escada rolante seguinte, comecei a sentir um incômodo", relatou na época. O caso ocorreu às 6h30.

"Não veio nada na minha cabeça de que poderia ter sido isso, mas quando cheguei à aula, fui ao banheiro e vi que tinha uma marca", disse a jovem. Por estar atrás do suspeito na escada rolante, a mãe da estudante identificou um homem branco e barrigudo, com cerca de 1,60m, cabelo bagunçado e grisalho.

O retrato falado foi divulgado pela SSP na semana passada. Além dele, outro suspeito de um ataque na Estação Tamanduateí, da Linha 2-Verde, também teve o retrato falado divulgado.

Em junho, uma médica peruana foi perfurada pelas costas, na Avenida Paulista, no centro. Um suspeito foi preso cerca de um mês depois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.