1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Polícia pede quebra de sigilo de possível vítima de esquartejamento

Segundo familiares, Álvaro Pedroso sumiu no dia 22 de março, após sair com amante, que seria suspeita de mandar executá-lo, por ciúmes

São Paulo - A Polícia Civil pediu a quebra de sigilo bancário e telefônico do motorista Álvaro Pedroso, de 55 anos, que, segundo as investigações, é o homem esquartejado cujas partes do corpo foram jogadas em Higienópolis e cabeça, na Praça da Sé. Segundo sua família, ele sumiu no dia 22 de março, quando teria saído com a amante, que é suspeita de mandar executá-lo, por ciúmes.

O Instituto de Criminalística (IC) realiza exames de DNA para confirmar se os restos encontrados no mês passado pertencem mesmo à vítima. O pedido de quebra de sigilo é uma tentativa de indentificar a amante. Com os dados telefônicos e de gastos de cartão, por exemplo, a polícia poderá determinar onde o motorista esteve antes da morte e onde teria se encontrado com a amante.

Vítima. Após o desaparecimento do motorista, foram encontrados três sacos deixados em pontos diferentes próximo ao Cemitério da Consolação, com pernas, braços e tronco. No dia 27, uma cabeça foi achada na Praça da Sé por um morador de rua. A cabeça foi analisada por uma equipe do Laboratório de Arte Forense da Polícia Civil, do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Um retrado falado, feito por computador com fotos da cabeça e uma tomografia do crânio, foi comparado com as características de desaparecidos registrados em boletins de ocorrência. A família da vítima, moradora da zona sul da capital, foi então chamada e reconheceu a imagem.