Reprodução/Facebook Evangelos Pagalidis
Reprodução/Facebook Evangelos Pagalidis

Polícia investiga morte de produtor cultural após suposta queda de caixa d'água

Namorada de Mateus Pagalidis afirma que ele estava numa fase ruim e teria sofrido um surto psicótico 

Bibiana Borba, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2017 | 02h17
Atualizado 06 Setembro 2017 | 08h07

SÃO PAULO – Depois de três dias de buscas, o produtor cultural Mateus Pagalidis, de 27 anos, teve a morte confirmada nesta terça-feira, 5, quando familiares fizeram a identificação no Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo. Conforme o 23º Distrito Policial (DP), de Perdizes, o corpo havia sido encontrado na manhã do último domingo, 3, próximo à caixa d’água de um complexo de eventos em construção na zona norte da capital paulista. A principal suspeita é de que o jovem caiu da escada de cerca de 30 metros de altura que leva à estrutura.

A causa e as circunstâncias da morte ainda serão investigadas, já que houve relatos confusos enquanto Mateus estava desaparecido. Ele morava em Cabo Frio (RJ) e havia vindo a São Paulo com amigos no sábado para assistir ao show da banda norte-americana Get Up Kids no bairro Ipiranga, na zona sul. Mais tarde, segundo os amigos, se separou do grupo para ir à festa Caps Lock. Ele foi visto pela última vez por um taxista que disse ter lhe dado carona na manhã de domingo.

Em publicação no Facebook, o pai de Mateus, Evangelos Pagalidis, disse que o motorista relatou que o rapaz entrou no táxi muito confuso, dizendo ter sofrido um golpe no qual teriam levado sua carteira e celular. O produtor pediu para ir até o hotel onde estava hospedado, mas saltou do carro em movimento perto da Ponte da Casa Verde, nas proximidades da Marginal do Rio Tietê, de acordo com o relato.

Conforme o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Civil, o corpo foi encontrado poucas horas depois em um terreno na Avenida Doutor Abrahão Ribeiro, a cerca de 700 metros do local onde o taxista disse tê-lo perdido de vista. Um vigilante que trabalhava na área o localizou após ouvir latidos insistentes de um cachorro, segundo o 23º DP. Mateus estava apenas de cueca, com vários ferimentos no corpo e sinal de trauma na cabeça, abaixo da escada que leva à caixa d’água. A calça que ele vestia foi encontrada a alguns metros de distância, sem qualquer documento ou outro pertence.

Surto ou golpe. Namorada de Mateus havia seis anos, a professora de pilates Maria Carolina Fernandes afirmou em publicação no Facebook, após a identificação do corpo, que ele teria sofrido um ‘surto psicótico’. Ela também cita sintomas de depressão e uma ‘fase ruim’ vivida pelo rapaz. “Acho importante a gente esclarecer que o que aconteceu foi resultado de uma sequência de acontecimentos. Eu estou com ele há 6 anos e posso dizer que ele não estava numa fase boa. Há tempos ele vinha entrando em uma fase muito ruim. O que aconteceu foi uma consequência muito triste. É importante dizer que foi um surto psicótico. Ele estava fora de si”, afirmou a jovem no texto de despedida. “Eu queria muito que ele tivesse visto o quanto era querido! Nesses últimos tempos ruins, eu tentei fazer ele enxergar isso.”

No relato, Maria Carolina também afirma que Mateus “supostamente se jogou”. Já os familiares não fizeram qualquer comentário público sobre a causa da morte. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) informou que o laudo da necropsia está sendo elaborado e que a investigação seguirá a cargo do 23º DP.

Durante os três dias de busca, muitas pessoas especulavam que o produtor poderia ter sido vítima de golpe com uso do sedativo conhecido como ‘Boa noite, Cinderela’. A banda norte-americana Get Up Kids, além de várias bandas nacionais que trabalharam com o produtor, lamentaram sua morte em posts na rede social. Mateus deve ser enterrado às 16h desta quarta-feira, 6, em Cabo Frio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.