Polícia indicia 5 por matar alemã em Pernambuco

Os cinco acusados da morte da alemã Jennifer Marion Nadja Kloker, morta a tiros aos 22 anos em 16 de fevereiro, em São Lourenço da Mata (PE), foram indiciados no inquérito policial concluído ontem por homicídio triplamente qualificado - motivo torpe (o crime foi motivado por uma recompensa, um seguro de vida feito em nome de Jennifer que beneficiaria o viúvo da vítima), motivo fútil (brigas familiares e disputa pela guarda do filho da vítima) e pela vítima não ter tido chance de defesa. Eles podem ser condenados a penas entre 12 e 30 anos de prisão.

, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2010 | 00h00

O juiz da comarca, Djaci Salustiano de Lima, decretou a prisão preventiva dos quatro acusados que estavam presos de forma temporária: o viúvo de Jennifer, Pablo Tonelli, o pai adotivo de Pablo, Ferdinando Tonelli, a sogra, Delma Freire de Medeiros - apontada como mentora do crime - e Alexsandro Nunes dos Santos, contratado para matar a alemã. O quinto acusado, irmão de Delma, Dinarte de Medeiros, que teria segundo o inquérito comprou a arma do crime por R$ 300 e intermediou o negócio entre Delma e Alexsandro, responde ao processo em liberdade, por ter colaborado com a polícia.

Única a não confessar o crime, Delma se denunciou, de acordo com o delegado Alfredo Jorge, ao escrever um bilhete para o filho em que o orienta a declarar inocência e dizer que não tinha contato com o tio.

A polícia acredita que o filho de Jennifer, de 3 anos, viu o crime. O menino retornou à Itália com a tia, Roberta Freire, que vai pedir sua guarda na justiça italiana. / ANGELA LACERDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.