Assine o Estadão
assine

São Paulo

SÃO PAULO

Polícia identifica mulher que fez fotos nua em frente a delegacia de SP

Sarah Xavier ganhou fama nas redes por imagens eróticas; ela pode ser indiciada por ato obsceno e pegar pena de 3 meses

0

Alexandre Hisayasu e Ricardo Chapola,
O Estado de S. Paulo

05 Janeiro 2016 | 17h53

Texto atualizado às 11h58 do dia 06/01

SÃO PAULO - A mulher que ganhou fama nas redes sociais por ser fotografada seminua junto com um grupo de mulheres em locais públicos como delegacias e batalhões da Polícia Militar atacou novamente. Segundo as investigações da Polícia Civil, Sarah Xavier e uma amiga (ainda não identificada) posaram com as nádegas à mostra em frente ao totem do 53º DP (Parque do Carmo), na zona leste, durante o feriado de Natal e Ano Novo.

Os policiais apuraram que, na mesma semana, o grupo saiu em dois carros e fez várias fotos em postos de gasolina e avenidas da região. Os investigadores estão procurando por imagens de câmeras de segurança.

A foto circula nas redes sociais e foi compartilhada por vários policiais. O delegado Antonio Mestre Junior, responsável pela 8ª Seccional, determinou instauração de inquérito policial para apurar o caso e logo os investigadores identificaram Sarah depois de uma pesquisa nas redes sociais.

Segundo um relatório encaminhado por Mestre ao Decap (departamento responsável por todas as delegacias da capital), a mulher faz parte de um grupo que pratica o exibicionismo de partes íntimas em locais públicos e também organiza encontros de swing (troca de casais) na própria casa, no Itaim Paulista, na zona leste.

Os investigadores anexaram no relatório fotos de Sarah e das amigas seminuas na frente da delegacia de Ferraz de Vasconcelos e do 2º DP de Praia Grande, além de outras imagens eróticas em carros dos Bombeiros, Polícia Militar Ambiental e Força Tática da PM. Em dezembro de 2014, Sarah e as amigas foram identificadas depois de tirarem fotos seminuas com um PM na Baixada Santista. A Corregedoria instaurou procedimento contra o policial.

Sarah não foi localizada pelos investigadores do 53º DP, porque estaria no litoral com o marido. Segundo a polícia, ela e amiga serão indiciadas por ato obsceno, que prevê detenção de três meses ou pagamento de multa. Ela não retornou os contatos da reportagem para comentar o caso.

Em nota, a secretaria de Segurança Pública informou que a Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso. "Não há qualquer suspeita de comprometimento de policiais da unidade", diz o texto. 

Comentários