Polícia Federal fecha fábrica de cigarro no interior de São Paulo

Local, que funcionava de forma clandestina em rodovia de Rio Claro, tinha capacidade para produzir até 1 milhão de maços por dia

Rene Moreira, Especial para o Estado

22 Janeiro 2015 | 10h55

FRANCA - Uma fábrica clandestina de cigarros, com capacidade para produzir 1 milhão de maços por dia, foi fechada na tarde desta quarta-feira, 21, em Rio Claro, no interior de São Paulo. No local, na Rodovia Washington Luís, havia 8 toneladas de tabaco e máquinas avaliadas em R$ 8 milhões, além de toneladas de materiais para falsificar cigarros de marcas conhecidas.

Toda a produção ficava em um galpão próximo ao quilômetro 186 da rodovia, no sentido São Paulo. A Polícia Federal contou com o apoio da Polícia Rodoviária durante a ação que fechou a fábrica. Um homem que estava no local foi detido e um veículo Gol, apreendido pelos policiais. O suspeito alegou ser apenas o zelador e acabou liberado após prestar depoimento.

A fábrica estaria produzindo atualmente 5 mil maços por dia das marcas WS e Fly, sendo localizadas 25 caixas desses dois cigarros, além de 900 mil filtros, 1 milhão de selos falsos para burlar a fiscalização, embalagens diversas e outros produtos. Tudo foi recolhido e mandado para o depósito da Receita Federal em Araraquara.

A PF tenta identificar agora os responsáveis pela fraude, mas não forneceu mais detalhes sobre o andamento das investigações.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Rio Claro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.