1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Polícia abre inquérito por ameaça a Uber

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 08h 27

Presidente de sindicato de taxistas vai responder por incitação e apologia ao crime; operação é feita contra brigas entre motoristas

SÃO PAULO - A Polícia Civil abriu investigação contra o presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas Empresas de Táxi de São Paulo (Sintetaxi-SP), Antonio Matias, o Ceará, por incitação e apologia ao crime depois que ele compartilhou um vídeo nas redes sociais, na semana passada, incentivando a violência contra motoristas da Uber. “Agora é cacete, prefeito”, afirmou. Também são investigados o próprio sindicato e outras entidades da categoria. 

Ceará negou as suspeitas da polícia. “Eu não incentivei o crime. Foi uma mensagem para o prefeito Fernando Haddad. Nós queremos mais polícia, mais fiscalização. Somos contra a violência”, disse. Ele será ouvido amanhã na 5.ª Delegacia Seccional.

Os ânimos estão acalorados com a nova declaração do prefeito Fernando Haddad, a Simtetaxi mostrou repúdio e o presidente Antônio Matias mandou seu recado...

Publicado por Táxi em São Paulo em Quinta, 28 de janeiro de 2016

O Estado apurou que há vários inquéritos instaurados em delegacias da capital que apuram casos isolados em que motoristas da Uber foram agredidos por taxistas. Porém, o Decap (departamento responsável pelos 93 distritos policiais da cidade) centraliza as investigações para descobrir quem é o responsável por comandar as agressões. 

Desde terça-feira, supostos taxistas estão compartilhando mensagens de áudio em grupos de WhatsApp. Nelas, prometem uma guerra contra a Uber. Entre as várias ameaças estão incendiar carros pretos (mesmo não sendo do aplicativo), parar rodoviárias e os aeroportos de Congonhas e Guarulhos. Tudo como forma de protesto contra decisão judicial que proíbe o Departamento de Transporte Público (DTP) de apreender carros da Uber.

Em uma das gravações, o suposto taxista diz: “A guerra para o País ser liberto não morreu gente e derramou sangue? Para gente ser liberto dessa maldita empresa (Uber), a gente derruba sangue. Morre alguém, vem um outro e assume”.

Em nota, o Sintetaxi-SP disse que “não foi procurado por taxistas para falar sobre este tipo de ação. E, se procurados, não vão apoiar o movimento, que vai na contramão da lei municipal que proíbe o transporte clandestino”.

O presidente do Sintetaxi-SP, Antonio Matias, o Ceará, representa os funcionários de frotas de táxi. O sindicalista já publicou vídeos na internet dizendo 'agora é cacete, prefeito', incentivando a categoria a protestar contra um decreto da Prefeitura que regulamentaria o aplicativo

O presidente do Sintetaxi-SP, Antonio Matias, o Ceará, representa os funcionários de frotas de táxi. O sindicalista já publicou vídeos na internet dizendo 'agora é cacete, prefeito', incentivando a categoria a protestar contra um decreto da Prefeitura que regulamentaria o aplicativo

Operação. Na noite desta quarta, cerca de 120 policiais civis, em 40 viaturas, fizeram uma operação em quatro pontos da cidade para evitar brigas de taxistas e motoristas da Uber. Os investigadores ficaram na Avenida Juscelino Kubitschek, na zona sul; na esquina das ruas Augusta e Oscar Freire, nos Jardins; na Avenida Paes de Barros, na zona leste; e na esquina da Doutor Arnaldo com a Teodoro Sampaio, na zona oeste. 

Os policiais abordaram taxistas, motoristas da Uber, carros pretos particulares e também motoqueiros, pois havia informação de que taxistas pretendiam atacar os motoristas da Uber usando motocicletas. 

O secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, acompanhou a operação. Segundo ele, o objetivo principal foi verificar se havia armamento dentro de táxis ou em carros da Uber. “Conversei com quatro motoristas, é possível dizer que a maioria não quer confusão. Quer regulamentação, quer trabalhar”, disse. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX