1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

PM vai 'agir fortemente' para prender quem depredar, diz secretário

- Atualizado: 08 Janeiro 2016 | 15h 12

Segundo Alexandre Moraes, 'quem praticar vandalismo é criminoso e será preso'; manifestação do MPL contra reajuste da tarifa do transporte público será nesta sexta-feira, a partir das 17h

Atualizada às 15h12

SÃO PAULO - O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, disse nesta sexta-feira, 8, que a Polícia Militar vai "agir fortemente" para prender manifestantes que depredarem patrimônio público e privado no ato do Movimento Passe Livre (MPL) contra o aumento da tarifa do transporte público, marcado para 17 horas. Segundo Moraes, a PM "sempre tem calma e sempre tem cautela" nos protestos e possui "a maior expertise em acompanhar grandes manifestações no Brasil".

"Estamos atentos e vamos agir fortemente com prisões em relação a eventuais black blocs. Manifestação não se confunde com vandalismo. Quem praticar vandalismo é criminoso e será preso. Mas tenho absoluta certeza de que as manifestações vão transcorrer normalmente", afirmou. 

Junho de 2013: o mês em que o Brasil foi às ruas
Filipe Araujo/Estadão
Junho de 2013

Dois anos e meio depois dos protestos de junho de 2013 - que começaram em São Paulo contra o reajuste da tarifa do transporte público e ganharam o Brasil com uma infinidade de reivindicações -, manifestações foram marcadas para esta sexta-feira, 8, em diversas cidades, novamente contra o aumento do preço da passagem de ônibus, metrô e trens. A seguir, relembre os protestos de junho de 2013.

As manifestações acontecem na véspera do reajuste, que começa a valer neste sábado, 9, e amplia a tarifa de ônibus, metrô e trem de R$ 3,50 para R$ 3,80. O MPL convocou atos em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, que ocorrerão simultaneamente nesta sexta-feira. Na capital paulista, o grupo vai sair do Teatro Municipal. O evento foi convocado pelas redes sociais e até as 9h30 desta sexta-feira, 7, tinha 15 mil pessoas confirmadas e 9,6 mil interessadas. O trajeto não foi divulgado pelo grupo. 

O secretário afirmou que não houve reunião do MPL com a polícia para definir o trajeto. "É outro grande problema das manifestações do MPL, que se recusa a fazer uma reunião, uma audiência prévia, simplesmente para verificar o trajeto", disse. A orientação da polícia, conforme Moraes, é negociar o percurso com as lideranças do movimento durante a concentração no início do ato.

Procurados, os militantes do Movimento não quiseram comentar as declarações do secretário. Tradicionalmente, o MPL defende que a decisão do percurso deve ser conjunta, definida pelos manifestantes em assembleia durante a concentração. "O MPL não vê sentido em comparecer a uma reunião para “definir as diretrizes do ato” com uma instituição que se prepara para reprimir uma manifestação legítima antes mesmo que ela aconteça", informa o grupo no site.

Aumento. Em 30 de dezembro, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciaram o reajuste da tarifa no ônibus, trem e metrô de São Paulo. O aumento será de 8,6%, abaixo da inflação - a previsão do Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) é de 10,72%. Com o aumento, as tarifas de integração devem subir de R$ 5,45 para R$ 5,92.

Integração de R$ 5,92 é mais cara que o quilo da banana
Felipe Rau/Estadão
Veja produtos mais baratos que a integração de R$ 5,92

Um cacho de um quilo banana nanica custa R$ 3,79

O Rio de Janeiro também terá ato nesta sexta. Marcado para as 17 horas, o protesto começa na Cinelândia, no centro da cidade. Até a noite desta quinta-feira, 7, 7,1 mil pessoas haviam confirmado presença. Na capital fluminense, a tarifa subiu no último sábado, dia 2, de R$ 3,40 para R$ 3,80, o que representa aumento de 11,7%.

Em Belo Horizonte, a tarifa passou de R$ 3,40 para R$ 3,70 no último domingo, 3, sofrendo aumento de 8,82%. Foi o terceiro reajuste em um ano. O MPL da capital também convocou um ato para esta sexta-feira. Será às 18 horas com saída da Praça Sete, no centro. No evento, 3,6 mil pessoas confirmaram presença.

Histórico. A última vez que houve aumento no valor das passagens de ônibus, metrô e trem em São Paulo foi em janeiro do ano passado, quando a tarifa subiu de R$ 3 para R$ 3,50, após ter ficado mais de um ano congelada.

Em 2013, uma série de protestos do Movimento Passe Livre (MPL) marcou o anúncio de aumento nas tarifas de transporte público, que, à época, seria de R$ 3 para R$ 3,20, e os dois governos resolveram recuar. Na ocasião, Haddad também resolveu contratar uma auditoria para analisar o sistema municipal de transporte e avaliar o reajuste necessário.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX