PM mata ladrão após assalto a mercado

Assaltante trocou tiro com policiais após perseguição na zona sul e três bandidos se renderam na fuga; um funcionário foi feito refém

FABIANO NUNES, O Estado de S.Paulo

17 Julho 2012 | 03h03

Um assaltante morreu e outros três foram presos em um confronto com policiais militares após tentativa de assalto ao supermercado St Marche, em Moema, zona sul de São Paulo. A quadrilha chegou a levar um funcionário da empresa como refém na fuga. O crime aconteceu por volta das 22 horas de anteontem.

De acordo com testemunhas, o bando chegou em um Chevrolet Celta. Um funcionário disse em depoimento que havia acabado de fechar o supermercado quando notou a presença de um homem armado. O ladrão perguntou se o alarme havia sido acionado e onde ficava o cofre. "O alarme não estava acionado, mas expliquei que o cofre era com boca de lobo, só pessoas autorizadas têm a senha", informou o empregado no boletim de ocorrência.

Uma funcionária chegou a afirmar ao bando que parte do dinheiro estava dentro do caixa e que tinha a senha para abri-lo, mas os assaltantes disseram que estava demorando muito e fugiram com outro funcionário.

Eles foram avistados pela PM na Avenida Santo Amaro, quando começou a perseguição, que durou cerca de dez minutos. Na Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, no Brooklin, três dos assaltantes que estavam no carro se renderam. A vítima do sequestro se jogou no chão, gritando que era funcionário do supermercado.

Um outro integrante da quadrilha, Pedro Henrique Thaller de Souza, de 24 anos, ficou sentado no banco do passageiro. Ao descer do veículo, ele teria atirado nos policiais, que revidaram. O assaltante foi atingido e caiu no chão. Os policiais levaram Souza para o Pronto-socorro do Hospital Saboya, no Jabaquara, zona sul, onde ele morreu.

Os outros três bandidos foram detidos sem ferimentos. O refém também saiu ileso. Com os assaltantes, a PM apreendeu telefones celulares, documentos e um revólver de brinquedo.

Com o ladrão que foi morto estava um revólver calibre 38, Taurus, com a numeração raspada. Segundo a polícia, havia quatro cartuchos intactos e um deflagrado com o assaltante.

A ocorrência foi registrada no 27.º Distrito Policial (Ibirapuera). A resistência seguida de morte será investigada pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que apura mortes envolvendo PMs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.