Plano de mobilidade de Alckmin tem mais metrô na periferia e melhorias na CPTM

Em entrevista, governador diz que propostas serão apresentadas ao governo federal; após reunião com sem-teto, Alckmin anuncia ainda aumento do auxílio-moradia

Tiago Dantas, O Estado de S. Paulo

25 Junho 2013 | 12h36

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta terça-feira, 25, que pretende apresentar três projetos de mobilidade do Estado de São Paulo para o governo federal, como parte do Pacto Nacional de Mobilidade: a extensão da Linha 5 do Metrô de Capão Redondo ao Jardim Ângela, a reforma de 30 estações da CPTM e um corredor de ônibus na região de Campinas.

O "pacote de bondades" anunciado nesta terça-feira, um dia após a suspensão do reajuste dos pedágios das rodovias de São Paulo, ainda prevê o aumento do valor do auxílio-moradia na Região Metropolitana para R$ 400. A demanda foi um pedido formulado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, recebido pelo governador nesta manhã.

Ônibus. Alckmin confirmou a redução das tarifas dos ônibus intermunicipais da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), que havia sido revelada na segunda-feira O reajuste varia de acordo com as linhas. Em média, a queda foi de R$ 0,15.

O governador também falou sobre os índices de violência no Estado.

Mais conteúdo sobre:
protestos Geraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.