Planalto teme que crise 'contamine' o governo federal

Dilma e Alckmin se encontram para discutir combate à falta d'água

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2015 | 02h03

A presidente Dilma Rousseff se reúne nesta sexta-feira com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Dilma quer conhecer as medidas emergenciais que Alckmin está tomando para amenizar o problema da falta de água no Estado e oferecer ajuda do governo federal.

Diagnóstico feito pelo governo federal aponta que grande parte da responsabilidade da crise hídrica que afeta São Paulo é do governo do Estado, que recebeu vários alertas do risco de seca, mas evitou tomar medidas drásticas como o racionamento, por causa do período eleitoral. No entanto, o Planalto não pretende incentivar qualquer guerra política, uma vez que o problema não se resume a São Paulo, comandado pelo tucano, e também por temer que este problema possa contaminar o governo federal, embora a distribuição de água seja uma responsabilidade estadual.

O convite a Alckmin foi feito pela presidente Dilma Rousseff. O Planalto tem dado demonstrações que quer construir parcerias e ajudar na elaboração de projetos para minimizar os problemas da população. Por isso, quer conhecer o plano de contingência de Alckmin. Dentro dessa ideia, na semana passada, foi anunciada a liberação de R$ 800 milhões para que seja feita a inclusão no PAC das obras de interligação do Reservatório Jaguari-Atibainha. A proposta foi feita pelo governo paulista em dezembro.

O governo federal insiste na necessidade de obras emergenciais porque as que estão sendo apresentadas só darão resultados em médio prazo. Caso a situação se agrave ainda mais, o governo federal poderá oferecer até mesmo transporte de água por trem, caminhão-pipa e construção de cisternas.

Na conversa, poderá ser discutida ainda a possibilidade de usar a água da Represa Billings para abastecer os Sistemas Guarapiranga e Alto Tietê, proposta apresentada por Alckmin na semana passada. É que há preocupação no Ministério das Minas e Energia de que esta transposição afete o fornecimento de energia no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.