Rafael Arbex/ Estadão
Rafael Arbex/ Estadão

Penúltima escola a desfilar no Anhembi, Rosas de Ouro homenageia caminhoneiros

Alas trouxeram referências a São Cristóvão e Nossa Senhora Aparecida, santos da Igreja Católica associados à fé dos motoristas de caminhão

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2018 | 06h57

SÃO PAULO - Rosas de Ouro, a escola da musa Ellen Roche, foi a penúltima escola a pisar no sambódromo do Anhembi na madrugada deste sábado, 10, e, com um samba-enredo de refrão fácil, prestou uma homenagem aos caminhoneiros do País. 

O "Lá vou eu, nas curvas desse meu Brasil, levando na boleia a flor, razão do meu viver", cantado na canção colou rápido na (já vazia) arquibancada. Ajudou também a presença de famosos como as cantoras Maiara e Maraísa e de Rita Cadilac, que tem entre os caminhoneiros alguns de seus fãs mais fiéis.

+++ Acadêmicos do Tatuapé homenageia o Maranhão com adereços de fauna e flora

"Já tinha desfilado pela X-9. Por causa do enredo, vim nesse ano na Rosas", disse Rita.

As alas trouxeram referências a São Cristóvão e Nossa Senhora Aparecida, santos da Igreja Católica associados à fé dos motoristas de caminhão. Também tinham fantasias que destacavam caveiras e monstros para simbolizar os perigos da estrada e ainda uma ala com mulheres de espartilho e leques, destacando as garotas de programa das rodovias. 

A exemplo das rivais Independente e Mancha Verde, escolas vindas de torcidas de futebol que já haviam desfilado, a torcida da "Roseira" colocou uma faixa típica de estádio na torcida. "Furacão azul e rosa" é o nome estampado da "torcida organizada" da escola. 

Na concentração, alguns alegóricos tinham holofotes apontando para o céu e as arquibancadas, fazendo do desfile um espetáculo visual diferente daquele apresentado pelas demais agremiações. Entretanto, parte das alegorias aparentou ter perdido a energia dos geradores no meio da apresentação, o que pode comprometer a escola. A presidente da escola, Angelina Basílio, afirmou que os carros "só tinham um efeito especial" e que tudo deu certo. 

+++ Carnaval de rua em São Paulo

Outro tropeço foi a pressa para não estourar o tempo. A escola correu no fim do desfile, a ponto de a presidente descer do carro em que desfilou já perguntando sobre o tempo. Os 65 minutos foram cumpridos. 

Ellen Roche, destaque da bateria, estava com uma fantasia azul e distribuiu charme do início ao fim do desfile. Saiu da avenida sem falar com a imprensa. 

Já Maraísa, dupla de Maiara, se disse emocionada. "Nunca imaginei que fosse entrar na avenida e o público fosse vir desse jeito", disse a cantora sertaneja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.