Maurício de Souza/Estadão
Maurício de Souza/Estadão

Pedreiro que sonhava em se tornar engenheiro morre

Damião Nunes Praz era o único da família de dez irmãos que havia ingressado no ensino superior; acidente aconteceu na Mogi-Bertioga

Fábio Lemos Lopes, Especial para o Estado

09 Junho 2016 | 10h31

GUARUJÁ - Entre as vítimas do acidente que matou ao menos 18 pessoas na Rodovia Mogi-Bertioga na noite desta quarta-feira, 8, está o ajudante de pedreiro Damião Nunes Praz, de 33 anos. Ele era também estudante de Engenharia Civil da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) e sonhava em se tornar engenheiro.

De uma família de dez irmãos da cidade de Mauriti, no interior do Ceará, Praz morava há 15 anos na Praia da Barra do Una, em Sebastião, no litoral norte de São Paulo. Seu primeiro emprego na cidade paulista foi como auxiliar de cozinha, mas logo migrou para a construção civil. Com as próprias mãos, construiu a casa onde vivia com a família e se preparava para erguer a segunda.

Uma de suas irmãs, a empregada doméstica Josefa Margarida Praz, de 39 anos, chegou por volta das 5 horas desta quinta-feira, 9, ao Instituto Médico Legal (IML) do Guarujá, no litoral sul, e reconheceu o corpo.

Segundo Josefa, o irmão trabalhava desde o 7 anos na roça e era o único da família que ingressou na universidade. "Ele trabalhava o dia inteiro como pedreiro e à noite ia para a faculdade", disse. "A dedicação dele era o trabalho."

"Estou triste pelo acidente, mas nada vai trazê-lo de volta", declarou a irmão, que definiu Praz como "uma pessoa tranquila, de poucas palavras".

Acidente. De acordo com as equipes de socorro iniciais, o veículo levava estudantes da UMC e da Universidade Braz Cubas (UBC) para a cidade de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo.

O acidente aconteceu no km 84, entre Mogi das Cruzes e Bertioga. Ainda segundo informações dos bombeiros, o motorista perdeu o controle do veículo, colidiu de frente com um rochedo na pista contrária e caiu em uma ribanceira. O condutor morreu no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.