1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Paulistanos comemoram vitória e prometem mobilização por outros temas

Herton Escobar

20 Junho 2013 | 00h 25

Conquista não é vista como um triunfo final, mas como a primeira vitória de um movimento popular que deverá ser ampliado

A redução da tarifa de ônibus foi comemorada por centenas de pessoas na noite desta quarta-feira, na Avenida Paulista, em São Paulo. Não como um triunfo final, mas como a primeira vitória de um movimento popular que deverá ser ampliado para outros temas. "Tá só começando" e "a tarifa abaixou, mas a luta não acabou" eram os coros que prevaleciam na avenida.

"Começou por causa dos R$ 3,20, mas não é só isso; tem muita coisa para fazer ainda", disse a bailarina Luana Marques, de 22 anos. "Não sei para onde a coisa vai virar agora, mas sei que quero me expressar, quero mudar alguma coisa. Espero que o movimento continue e se multiplique sobre outros temas mais importantes."

"Comemoramos a vitória, mas vamos protestar mais, sim, porque foi só o começo", disse a estudante Maria Waughan, de 25 anos, do Movimento Juntos. O professor Danilo Brisco, do mesmo grupo, disse que o próximo tema de protesto será o deputado Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, que na noite anterior havia aprovado o projeto da chamada "cura gay". "Ele é uma figura que tem de ser extirpada da política brasileira; isso não pode continuar acontecendo. Nossa atenção vai para ele agora", disse Brisco. Uma manifestação contra o deputado foi marcada para sexta-feira, na Praça Roosevelt.

A comemoração pela queda da tarifa começou às 20 horas em frente ao Masp, com cerca de mil pessoas, segundo a estimativa de policiais militares que fizeram a segurança no local. Um trecho da avenida foi fechado nos dois sentidos para permitir a comemoração, mas metade das pessoas preferiu descer pela Rua da Consolação até o centro, apesar de alertas de outros manifestantes de que "ia dar confusão". "A polícia disse que podemos ficar no Masp, que não vai ter problema nenhum. Vamos sair daqui para tomar bala de borracha, pra quê?", questionava Ricardo Almeida, de 21 anos, do grupo Anonymous. "A luta não é contra a polícia, é contra o sistema", afirmava, tentando convencer as pessoas a ficar.

Muitos não ficaram, mas o medo de um novo confronto com a polícia não se materializou. Centenas de pessoas desceram pela Rua da Consolação, em meio ao trânsito, por volta das 21 horas. Policiais em motocicletas apenas acompanhavam a multidão e paravam ou redirecionavam o trânsito à medida que a passeata avançava. Muitos motoristas buzinavam em apoio aos manifestantes e até botavam a mão para fora do carro, para cumprimentá-los. "Olha que legal, o Brasil parou e nem é carnaval", cantava o grupo.

"A passagem já baixou, agora tem de levantar uma nova bandeira; no mínimo saúde e educação", disse ao Estado o caminhoneiro Antonio Justino, de 73 anos, que aplaudiu a passagem da manifestação pelo centro da cidade. "O mundo inteiro está apoiando esse movimento."

Às 22 horas, cerca de 300 pessoas chegaram à sede da Prefeitura e cantaram o Hino Nacional, assistidos por policiais militares e mais de 30 guardas-civis que se postaram em frente ao prédio. O clima era de paz e não houve confrontos. No final, os manifestantes até aplaudiram os policiais. "Quem quer colocar a gente contra vocês são aqueles que querem que as coisas permaneçam como estão", disse o fotógrafo Douglas

Agostinho Teodoro, de 34 anos, que "liderou" a passeata espontaneamente ao longo do trajeto. "Não sou de nenhum movimento; só sei o que é certo e o que é errado", disse ao Estado.

Bastante emocionado, ele disse que a redução da tarifa era "só a primeira batalha, para mostrar nossa força e fazer as pessoas nos ouvirem". As próximas bandeiras do movimento popular, segundo ele, devem ser as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 33 e 37, que retiram poderes do poder Judiciário e dos Ministérios Públicos. "Essas PECs são um golpe da corrupção, que quer derrubar o tripé da democracia", disse Teodoro.

"Me recuso a voltar para casa e deixar que as coisas continuem assim."

A redução da tarifa de ônibus, para ele, não passou de "mais uma manobra" política, já que, segundo o discurso do prefeito Fernando Haddad, o dinheiro para cobrir o "rombo" terá de sair de algum outro lugar. "Ele acha que a gente é tonto? Esse dinheiro que saia do salário dele."