1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Passe Livre faz quarto ato contra aumento da tarifa em São Paulo

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 09h 28

Concentração será às 17h, no cruzamento das Avenidas Faria Lima e Rebouças, na zona oeste; relembre os três protestos anteriores

SÃO PAULO - Após três manifestações que tiveram desfechos diferentes, o Movimento Passe Livre (MPL) realiza nesta terça-feira, 19, o quarto ato contra o reajuste das tarifas de ônibus, trem e metrô de R$ 3,50 para R$ 3,80. Os ativistas defendem a estatização do transporte público, o imposto progressivo sobre fortunas para custear a mobilidade urbana e a revogação dos novos preços. A concentração será às 17 horas, no cruzamento das Avenidas Rebouças e Brigadeiro Faria Lima, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. Relembre os protestos anteriores:

1º ato. Em 8 de janeiro, o grupo se reuniu no Teatro Municipal, na região central, e caminhou em direção ao Corredor Norte-Sul. Uma linha de frente formada por mascarados black blocs abriu caminho aos manifestantes. A PM estimou que 3 mil pessoas participaram. Ao passar o Vale do Anhangabaú, os ativistas tomaram a pista sentido zona norte do viário. O protesto seguia pacífico até que os black blocs pularam para o outro lado da avenida, bloqueando o tráfego de veículos.

Manifestação contra o aumento das tarifas em todo o Brasil
Rafael Arbex/Estadão
Manifestação contra o aumento das tarifas de transporte público

A tarde de sexta-feira foi de manifestações lideradas pelo Movimento Passe Livre contra o aumento de R$ 3,50 para R$ 3,80 das tarifas de transporte público. Em São Paulo, o ato se iniciou na Praça Ramos de Azevedo, em frente ao Teatro Municipal.

A chamada "Tropa do Braço", que acompanhava de perto o ato, reagiu. A PM atirou bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo, enquanto os mascarados respondiam com pedras, garrafas e bombas caseiras. O ato terminou com três policiais feridos, 17 manifestantes detidos, além de ônibus da Prefeitura e carros da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) depredados.

No dia, a PM disse ter prendido um jovem que supostamente portava um explosivo caseiro. No entanto, imagens divulgadas em redes sociais fizeram com que a Justiça mandasse soltar o manifestante, já que o vídeo mostrava policiais tirando a bomba que estava na calçada e colocando na bolsa dele.

Um PM do serviço reservado da corporação chegou a ser linchado por manifestantes. Um dos agressores era filho de um policial. Como o fato também foi gravado e divulgado nas redes sociais, o próprio pai entregou o filho à polícia.

2º ato. A manifestação de 12 de janeiro começou na Praça do Ciclista, no encontro da Rua da Consolação com a Avenida Paulista, na região central. O dia foi marcado pelo impasse entre manifestantes e Polícia Militar. O MPL queria descer a Avenida Rebouças para chegar ao Largo da Batata, em Pinheiros, na zona oeste. A PM proibiu o trajeto, cercou a concentração do ato e exigiu que os manifestantes seguissem o caminho preparado pela corporação, que ia da Rua da Consolação até a Praça da República.

MPL faz novo ato contra aumento da tarifa
NILTON FUKUDA/ESTADÃO
Protesto do MPL

Manifestantes se concentraram na Praça do Ciclista para o segundo ato contra o aumento da tarifa em São Paulo 

O Passe Livre resolveu manter o trajeto. Enquanto o membro do MPL Mateus Preiss informava o comandante da operação, a PM começou a atirar bombas. Em seis minutos de repressão policial, pelo menos 40 artefatos do Choque explodiram entre os manifestantes que estavam sem rota de fuga. Levantamento do Estado apontou que a PM atirou uma bomba a cada sete segundos.

Pequenos grupos de manifestantes se distribuíram por bairros do centro de São Paulo. Pela primeira vez, a região nobre de Higienópolis conviveu com bombas da PM e sacos de lixo queimados por mascarados. O ato terminou com 24 pessoas feridas, oito detidas e nenhum policial machucado.

Durante a noite, o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, elogiou a ação da PM e disse que era a corporação quem iria determinar os caminhos que os manifestantes deveriam seguir, criticando a falta de aviso prévio dos trajetos de interesse do MPL. Enquanto isso, o Passe Livre marcava um ato para a próxima semana.

Preparação. No dia seguinte ao segundo protesto, entidades de Direitos Humanos criticaram a postura da PM. Segundo elas, a polícia impediu o ato de começar. A Secretaria Estadual de Segurança Pública e o Ministério Público Estadual convidaram os integrantes do MPL para comparecer a reuniões. Os ativistas recusaram os convites, criticaram a postura da PM e disseram que os diálogos com o poder público deveriam ser feitos com as pastas de Transportes dos gestões Fernando Haddad (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

MPL faz ato contra aumento da tarifa
NILTON FUKUDA/ESTADÃO
MPL faz ato contra aumento da tarifa

O Movimento Passe Livre faz, nesta quinta-feira, 14, um novo ato contra o aumento da tarifa em São Paulo

3º ato. O Passe Livre marcou atos em lugares diferentes em 14 de janeiro: um no Largo da Batata e outro no Teatro Municipal. Após o segundo protesto não ter começado sob a alegação do poder público de que o MPL não informou o trajeto, os ativistas divulgaram os itinerários com algumas horas de antecedência. A PM aprovou e acompanhou. As marchas foram pacíficas em sua maior parte.

Após o tradicional jogral do MPL, manifestantes invadiram as Estações Consolação e Butantã do Metrô. Na primeira, houve depredação e confronto. Na segunda, a ViaQuatro, responsável pela Linha 4-Amarela, liberou as catracas para um grupo de manifestantes que ficou sentado dentro da estação.

Policiais militares dispersam manifestantes na Avenida Paulista com gás lacrimogêneo durante o segundo ato do Movimento Passe Livre contra o aumento da tarifa, em 12 de janeiro 

Policiais militares dispersam manifestantes na Avenida Paulista com gás lacrimogêneo durante o segundo ato do Movimento Passe Livre contra o aumento da tarifa, em 12 de janeiro 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX