Passaporte: emissão quase normalizada

Passaporte: emissão quase normalizada

O setor de emissão de passaportes da Polícia Federal (PF) em São Paulo praticamente normalizou o atendimento nos oito postos da capital e Grande São Paulo. As únicas dificuldades de agendamento, segundo a PF, são ocasionadas pela demanda reprimida nos dois meses em que vagas de horário de atendimento tiveram de ser reduzidas.

, O Estadao de S.Paulo

01 Abril 2010 | 00h00

Os transtornos começaram em janeiro, quando venceu o contrato da PF com a empresa terceirizada responsável pelo atendimento à população. Para ter tempo de treinar os novos funcionários, foi preciso reduzir em um terço a média diária de atendimento - de 1.500 para 1.000.

Para piorar, a PF notou um aumento da procura por passaportes, incomum para essa época do ano. As dificuldades para encontrar horários se concentravam nos dois principais postos de atendimento à população - a superintendência da PF e o Shopping Light -, que reúnem quase metade da demanda diária por passaportes. Atualmente, os federais têm conseguido efetuar 1.600 atendimentos por dia.

A PF mantém a recomendação para que as pessoas só deem entrada no pedido de passaporte se tiverem urgência. Quem tem viagem marcada deve se dirigir à superintendência levando RG, título de eleitor com o comprovante da última eleição, carteira de reservista e a guia de pagamento da taxa de R$ 156,07, além de um comprovante de compra da passagem. / BRUNO TAVARES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.