Papéis com memória do Estado se desmancham

No Museu Histórico-Pedagógico Affonso de Taunay, em Casa Branca, a 230 km da capital, 150 mil documentos do século 19 que comprovam a fundação de oito municípios e o processo de interiorização do Estado literalmente se desmancham. Na cidade, não há arquivo municipal.

, O Estado de S.Paulo

17 Abril 2010 | 00h00

A situação só não é pior pelos esforços do museólogo Adolpho Lenharo que, desde 2000, começou a coletar documentos do fórum, da delegacia, da Câmara e da prefeitura. No ano passado, Lenharo até conseguiu convencer vereadores a aprovarem a fundação de um arquivo municipal - criado por lei, mas que nunca saiu do papel.

Em Cunha, cidade que foi palco da Revolução de 1932, boa parte da história se perdeu. Toda a documentação da cidade entre sua fundação, em 1758, e 1961 foi consumida num incêndio na prefeitura, naquele ano.

Hoje, os papéis que restaram - resgatados do fórum e produzidos entre 1785 e 1970 - continuam em local inadequado. Ficam em uma saleta no centro de cultura da cidade, sem catalogação nem climatização. O arquivo municipal, criado em 2008, jamais foi construído.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.