Os anos Dourado

Os anos Dourado

Para quem ainda duvidava da máxima "o brasileiro não sabe votar", Deborah Secco abriu sua boca de urna no programa da Ana Maria Braga: "Eu votei 3 mil vezes no Dourado!"

Tutty Vasques, O Estadao de S.Paulo

01 Abril 2010 | 00h00

A atriz foi ao Mais Você de ontem comemorar o que chamou de "a vitória do imperfeito" no Big Brother 10.

A lógica da militância é a seguinte: por maiores que sejam seus defeitos, dá pra vencer no Brasil.

Com 60% dos mais de 154 milhões de votos - recorde mundial em reality show -, o gaúcho Marcelo Dourado é um caso emblemático dessa compulsão nacional pela escolha do cara errado na hora de votar. Não é todo dia, afinal, que se encontra um candidato assumidamente preconceituoso, sem educação ou vergonha das bobagens que arrota.

A gente descobre pra que serve a cabeça no corpo sarado de um lutador de vale-tudo quando ele diz, por exemplo, que "homem heterossexual não pega aids" num programa de TV.

Esse é o cara que o Brasil elegeu na diversidade humana confinada na casa do BBB. Em ano eleitoral, dá o que pensar! Graças a Deus, Deborah Secco não vai poder votar 3 mil vezes para presidente, né não?

Menino do Rio

O ex-ministro Carlos Minc não cresce: a esta altura da vida pública, vai

disputar a reeleição na Assembleia Legislativa do Rio.

Cabeça desfeita

Varou a madrugada o bota-fora de Edson Lobão no Ministério das Minas e Energia. Comenta-se no Congresso que, pela primeira vez na história republicana, o ex-ministro teria sido visto descabelado.

Teoria da relatividade

Depois de encarar o rodízio dos dias de chuva com os de manifestação de professores, o paulistano terá, enfim, um dia de sossego nos engarrafamentos para deixar a

Cidade.

Até 2011!

Pedro Bial tem bons motivos para lamentar o fim do Big Brother 10: ninguém aguenta tanto tempo de férias, cacilda! Antigamente, chamavam isso de vadiagem.

Mercado de trabalho

O Brasil gasta quase R$ 100 mil por mês em média com seus parlamentares. Bobagem, portanto, dizer por aí que Adriane Galisteu ganha uma fortuna. Ela até que merece!

Pagar pra ver

O Brasil vai pagar R$ 18 milhões por ano para participar do experimento científico da recriação do Big Bang. É o que a oposição chama de "fim do mundo"?

Efeitos especiais

Quem faz a sobrancelha do tal Durval Barbosa, pivô do mensalão do DEM no Distrito Federal? O cara é craque na pinça - repara só!

Data querida

A coluna comemora dois anos de caderno Metrópole neste 1.º de abril. Só quem já foi casado sabe o que é essa coisa que se renova todo dia para não perder a graça. Parabéns pela paciência, leitor!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.