1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Oposição entra na Justiça contra votação da lei de zoneamento

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 17h 42

Vereadores alegam que não sabem o que vão votar, já que projeto sofreu mudanças nos últimos dias

A nova lei pode ser votada nesta quinta-feira, 25, na Câmara Municipal

A nova lei pode ser votada nesta quinta-feira, 25, na Câmara Municipal

SÃO PAULO - Vereadores que fazem oposição ao governo Fernando Haddad (PT) na Câmara Municipal entraram na Justiça contra a votação na nova lei de zoneamento, agendada para ocorrer ainda na tarde desta quinta-feira, 25. Segundo Gilberto Natalini (PV), que apresentou um mandado de segurança, exigindo mais 30 dias de discussão na Casa, 90% dos parlamentares não sabem o que vão votar. "Esse projeto é mudado a toda hora. Isso é uma temeridade. Não se pode votar no escuro uma lei dessa envergadura", afirmou.

Apresentada originalmente aos vereadores em junho do ano passado, a proposta que revisa os tipos de uso e ocupação do solo de São Paulo já está em sua quarta versão. Desde sábado, dois textos distintos foram apresentados pelo relator, vereador Paulo Frange (PTB).

Outros sete vereadores pedem a suspensão da votação em representação ao Ministério Público Estadual. Assinado por Andrea Matarazzo (PSDB), Patrícia Bezerra (PSDB), Aurélio Nomura (PSDB), Mario Covas Neto (PSDB), Toninho Véspoli (PSOL) e Ricardo Young (PPS), além de Natalini, o documento exige ao menos mais dez dias de debates antes de levar o projeto de lei à votação.

"Não se sabe hoje qual é a cara desse zoneamento. Estávamos vindo bem, mas, de sábado para cá, muitas mudanças foram feitas no texto. Há mais de 300 emendas sugeridas, sendo muitas delas desconhecidas", reclama Young.

A oposição ainda reclama que o projeto de lei não traz os perímetros das zonas descritos em texto, somente no mapa. "E o mapa tem uma cor diferente de acordo com o computador onde é aberto", afirma Matarazzo. Apesar das críticas, a base aliada de Haddad na Câmara afirma ter os 33 votos necessários para a aprovação da lei ainda nesta quinta.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX