Obras interditam mais de 1km de ruas em Pinheiros

Na área do Largo da Batata, 350 metros serão fechados amanhã na Rua Sumidouro; comerciantes e motoristas reclamam

Caio do Valle / Jornal da Tarde, O Estado de S.Paulo

14 Julho 2012 | 03h02

A região do Largo da Batata, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, terá mais uma interdição viária a partir de amanhã. Cerca de 350 metros da Rua Sumidouro, entre as Ruas Fernão Dias e Amaro Cavalheiro, serão bloqueados durante um mês para obras de alargamento da via, remodelação das redes de esgoto e água e enterramento da fiação.

Somados, os trechos já fechados ao trânsito na área somam mais de um quilômetro de extensão. Na Rua Paes Leme, onde a interrupção começou no domingo passado, comerciantes e motoristas reclamam de transtornos. Ali, os 280 metros de asfalto dos quarteirões entre as Ruas Padre Carvalho e Amaro Cavalheiro já foram removidos. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que as intervenções naquele ponto devem durar um mês. Mas donos de lojas afirmaram ontem que funcionários da obra relataram que o bloqueio poderá ser maior, de até dois meses.

"A Prefeitura avisou só um dia antes. Todo mundo foi pego de surpresa pela interdição", reclamou Julio Cesar Castija, de 29 anos, dono de uma papelaria. Sem saber que a rua estava fechada, a artista plástica Betina Vaz Guimarães, de 51 anos, teve de carregar sozinha barras de madeira até o carro. Ele comprou os materiais em uma loja na Paes Leme e estacionou em uma rua vizinha.

O designer de móveis Daniel Maia, de 30 anos, também se confundia com os desvios no trânsito da região. "Está mal sinalizado. Acho que vou ter de entrar na contramão para poder chegar aonde preciso." Faixas colocadas pela CET nas ruas alertavam para as mudanças.

No Sesc Pinheiros, já houve impacto no movimento, segundo funcionários. Agora, os veículos têm de entrar e sair pela Rua Butantã, que fica bastante congestionada em horários de pico.

Também há bloqueios nas Ruas Gilberto Sabino e Conselheiro Pereira Pinto. Elas somam 330 metros. A requalificação urbana da região está a cargo da São Paulo Obras (SP Obras).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.