Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

O que fazer na Penha

A principal atração do bairro é o santuário de sua padroeira

O Estado de S. Paulo

07 Dezembro 2015 | 20h44

No dicionário, a palavra penha significa uma grande massa rochosa ou montanha (podendo ter surgido da abreviação de penhasco). O mais provável, porém, é que o bairro na zona leste de São Paulo tenha recebido esse nome por causa de uma igreja que existia desde o século XVII no mesmo local onde hoje funciona o santuário de Nossa Senhora da Penha de França. 

O bairro foi fundado entre 1667 e 1668 nas terras dos padres e irmãos Jacinto e Mateus Nunes Siqueira. A tal igreja ficava em sua fazenda e ao redor dela surgiu o povoado. Ainda hoje existe a devoção à padroeira. Suas festas ocorrem em 8 de setembro.

Com o passar dos anos, a região foi se tornando cada vez mais populosa. E até chegou a sediar a administração estadual, quando o governador teve de abandonar o palácio dos Campos Elíseos por causa da revolução de 1924.

Os quase 130 mil habitantes atualmente são atendidos pela linha 3 (vermelha) do metrô. Eles vivem em uma região conhecida por seus diversos centros religiosos, das crenças mais variadas, a exemplo de espírita, protestante, católica, evangélica e cultos de origem africana e oriental.

Comes e bebes

Restaurantes, lanchonetes e padarias: há uma unidade do tradicional Hamburguinho dentro do Shopping Penha (R. Dr. João Ribeiro, 304), que concentra também uma tradicional praça de alimentação, outros restaurantes e sugestões de comida rápida. Do lado de fora, fazem sucesso a lanchonete Mega Max (Praça José Antônio Chiarela, 90) e as padarias Requinte (Av. Amador Bueno Da Veiga, 1288) e Centro Gastronômico Requinte (Av. Amador Bueno Da Veiga, 1312), do mesmo dono. 

Bares: ainda que não sustente uma vocação para a boemia, a região oferece bons endereços. O Armazém 77 (R. Betari, 520) tem boa carta de cervejas, para beber na hora ou levar. Às sextas e sábados, food trucks estacionam na frente do estabelecimento e vendem suas receitas. É providencial, pois não há cozinha no bar. O Águapura (R. Nilza, 65) oferece música ao vivo (confira a agenda aqui) e o Por Uma América Unida (R. Verena, 265) atrai fãs de moto e de rock clássico.

Passeios

Santuário de Nossa Senhora da Penha de França (Praça Nossa Senhora da Penha, 1): é a principal construção do bairro, que se desenvolveu no entorno. A data oficial da inauguração é 1682, mas a basílica onde hoje está a imagem original trazida pelos padres jesuítas que fundaram a capela data de 1967. A festa da padroeira é celebrada em 8 de setembro, quando há missas e uma procissão.

Clube Esportivo da Penha (Av. Armando Cardoso Alves, 106): fundado em 1930, é um dos mais tradicionais de São Paulo. Oferece aos sócios uma estrutura completa de esporte e entretenimento, com quadras, piscinas, churrasqueiras, salões de festas e de jogos. Há ainda a possibilidade de alugar as dependências para eventos.

Parque Linear Tiquatira (Av. Governador Carvalho Pinto, s/nº): é considerado o primeiro parque linear de São Paulo, implantado às margens do Córrego Tiquatira. A extensa vegetação e a fauna variada se distribuem por mais de três quilômetros. A infraestrutura inclui quadras, pistas de skate e de bicicleta.  

Centro Cultural da Penha (Largo do Rosário, 20): complexo formado pelo Espaço Cultural Mário Zan, a Biblioteca José Paulo Paes, o Teatro Martins Pena e um telecentro. Funciona todos os dias, exceto às segundas, a partir das 10h.

Escola de Samba Nenê de Vila Matilde (R. Júlio Rinaldi, 1): em 2016, a escola da zona leste vai homenagear a atriz Claudia Raia: “Nenê apresenta seu musical: Rainha Raia nas Asas do Carnaval”. Os ensaios ocorrem aos domingos, a partir das 20h, com entrada a R$ 15,00 para homens e R$ 10,00 para mulheres.

Compras

O comércio de rua se distribui pela Praça 8 de Setembro, a Avenida Penha de França, o Largo do Rosário e as ruas Padre João e Doutor João Ribeiro. Nessa última, fica o Shopping Penha, com mais de 190 lojas. Outra parada importante para compras é o Mercado Municipal da Penha. Inaugurado em 1971, tem uma área de 25 mil metros quadrados. É um dos patrimônios da região. Seus trinta boxes vendem frutas, legumes, carnes e peixes.

Mais conteúdo sobre:
BairrosSP Penha O que fazer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.