O ópio dos espanhóis!

Dinheiro sujo

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2011 | 03h05

De uma coisa o bicheiro carioca que escondia R$ 2 milhões no esgoto da casa de seu tio não pode ser acusado: lavagem de dinheiro!

Popularidade alta

O ministro Marco Aurélio Mello vai, aos poucos, roubando a cena do lendário Gilmar Mendes nas conversas de botequim sobre o STF. Depois do quinto chope, todo mundo tem algo a dizer sobre a decisão que tomou para reduzir os poderes do Conselho Nacional de Justiça na investigação de magistrados da pá-virada.

Alta médica

O ministro Joaquim Barbosa tirou um peso das costas ao entregar o relatório do mensalão para julgamento do caso no STF. Capaz até de faltar menos ao trabalho por causa de problemas de coluna em 2012.

Ajuda de custo

Entreouvido nos corredores do Senado:

- Você vem à sessão extraordinária da posse do Jader Barbalho na próxima quarta-feira?

- Depende: quanto ele está pagando por cabeça?

Sorria!

O Congresso entra hoje em recesso! Isso quer dizer o seguinte: o noticiário político deve diminuir sensivelmente nos jornais de amanhã!

Boletim médico

João Gilberto não espirra há três dias!

Agora vai!

Enfim uma boa notícia da zona do euro: a polícia francesa prendeu o ladrão que, com uma arma de brinquedo, vinha roubando croissants em série nas padarias de Paris. Não é nada, não é nada...

O futebol é mesmo o ópio do povo! Veja só o caso dos espanhóis, coitados: vivem em um país mergulhado em estagnação econômica, altos índices de desemprego, dívida pública exorbitante, histeria do mercado financeiro, cortes na seguridade social, achatamento salarial e, no entanto, só se fala nas ruas do banho de bola do Barcelona na final do Mundial de Clubes no Japão.

Ninguém por lá dá mais a menor bola nem para o escândalo do envolvimento do genro do rei Juan Carlos em desvio de dinheiro público.

Os jornais só falam em "los mejores del mundo", "de otro mundo", "el mayor espetáculo del mundo", "el rey del mundo", enfim, "los hermanos" vivem um certo clima de escapismo que durante muitos anos prevaleceu por aqui. "Arriba, Espanha!"

Já foi "pra frente Brasil" no tempo em que Pelé era o Messi da vez. Éramos respeitados no mundo como "o país do futebol" e, não por acaso, nossa economia era na época uma piada ainda maior do que a lambança financeira em curso na Espanha.

Nada contra, feliz do país quebrado economicamente que tem futebol de ponta para dar alguma alegria a seu povo. Quem já passou por isso sabe: a espanholada tem mais que festejar 2011!

Será o Benedito?

Martinho da Vila cruzou os dedos discretamente: Mart'nália e Djavan trancaram-se em estúdio para uma mixagem. Quem sabe, né não? Esse mundo anda tão doido, que tudo pode acontecer!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.