1. Usuário
Assine o Estadão
assine

'Novo cangaço' leva medo às pequenas cidades

RICARDO BRANDT, ENVIADO ESPECIAL / SANTA BRANCA - O Estado de S.Paulo

02 Março 2014 | 02h 04

Deic identificou 3 grupos de São Paulo que se especializaram em ataques com barricada e contenção policial para explodir caixas

Agindo em bando e fortemente armados, criminosos adotaram táticas de guerrilha para invadir pequenas cidades e saquear, simultaneamente, o dinheiro dos caixas eletrônicos dos bancos com uso de explosivos. Chamado de "novo cangaço", eles espalham o medo e transformam, da noite para o dia, a vida nos municípios do interior de São Paulo e das divisas com Minas Gerais e Paraná, considerados recantos de sossego.

Identificadas desde 2011, as ações do novo cangaço se intensificaram desde o ano passado, segundo o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). O crescimento é atribuído à atuação organizada de três grandes quadrilhas paulistas identificadas pelo órgão, com 20 a 30 membros cada. Os novos cangaceiros agem de madrugada, com veículos potentes, em ações que levam, em média, 15 minutos. Vestem touca ninja na cabeça, luvas e coletes. As cidades menos populosas são escolhidas não só pelo baixo efetivo policial, mas também pelo isolamento geográfico.

Recriando o estilo dos velhos cangaceiros do sertão nordestino - em uma versão moderna mais violenta e desprovida de motivações sociais -, os criminosos sitiam a cidade com barricadas e contenção armada nos acessos viários, disparam contra a base policial para impedir reações e contra curiosos que possam identificá-los.

Enquanto isso, outra parte do grupo invade as agências e destroem os caixas com explosivo roubado de pedreiras e grandes obras.

"São criminosos que encontraram dentro desse formato de agir um meio mais fácil de roubar sem serem presos em flagrante ou identificados por testemunhas", explica o delegado do Deic Ruy Ferraz Fontes. "Eles agem rápido, afastam testemunhas com disparos a esmo e fogem antes de chegar reforço. É difícil ter flagrante."

Por causa do baixo lucro dos saques, a polícia identificou que as quadrilhas têm atuado quase que semanalmente para se manter. Cidades como Santa Branca, Conchas e Avaí, visitadas pelo Estado, foram alvo dos criminosos. Estima-se que as explosões deram prejuízo de mais de R$ 70 milhões aos bancos, no ano passado. Parte desse dinheiro abastece o Primeiro Comando da Capital (PCC), segundo as investigações.

Medo de guerra. A última ação do novo cangaço terminou em uma guerra entre polícia e criminosos, no fim de semana passado, no sul de Minas. Por quase meia hora, cerca de 200 policiais trocaram tiros com pelo menos 20 bandidos em Itamonte. Dez criminosos foram mortos, um refém acabou assassinado por engano, um comerciante foi sequestrado e depois solto e um policial ficou gravemente ferido.

Por causa do confronto, o prefeito Ari Constantino Filho (PP) cancelou o carnaval, mesmo com palco montado na praça e artistas contratados. A dona de casa Diva Maria Rodrigues, de 56 anos, que mora na mesma rua em que um banco foi explodido, diz que "ninguém mais sai de casa depois que escurece". "Ainda mais que disseram que tem bandido escondido por aí", diz.

"Pessoas que vivem em lugares como esses, quando passam por um episódio traumático, com confronto armado e mortes, têm a mesma sensação de quem está na guerra", explica a professora de psicologia forense da Pontifícia Universidade Católica de Campinas Maria de Fátima Santos. "É natural passarem a ver estranhos como suspeitos. É um mecanismo de defesa natural."

A Federação Nacional dos Bancos (Febraban) informou que acompanha "com extrema preocupação" os ataques. O órgão afirmou, em nota, que os investimentos em segurança dos bancos saltaram de R$ 3 bilhões, em 2002, para R$ 9 bilhões, no ano passado. Diante da força "desproporcional" aplicada pelas quadrilhas, "a ação de segurança permitida pela legislação (aos bancos) é insuficiente".

Segundo o delegado Fontes, a polícia intensificou a ofensiva contra as quadrilhas, com apoio do Exército, que fechou o cerco contra os roubos e desvios de explosivos.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo