Ronaldo Bernardi/Ag RBS
Ronaldo Bernardi/Ag RBS

No RS, alunos levam até cobertor a ''escola de lata''

Aulas são dadas em contêineres; para SP, previsão hoje é de 4°C de temperatura mínima

Elder Ogliari / PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2011 | 00h00

Em Porto Alegre e em Caxias do Sul, as crianças tiveram de se agasalhar mais do que de costume ontem para ir às aulas - em contêineres. A massa de ar polar, que perdeu força no Sul, chega hoje a São Paulo, trazendo frio intenso e geadas no sul e no oeste - as temperaturas devem ficar entre 4ºC e 18°C em todo o Estado.

Em Coronel Bicaco, no noroeste gaúcho, 700 alunos ficaram em casa ontem por causa das baixas temperaturas. Houve ainda queda de neve em São José dos Ausentes, Bom Jesus, Vacaria e São Marcos. E observadores meteorológicos registraram a ocorrência de chuva congelada em pelo menos oito municípios gaúchos. Em Três Forquilhas, no litoral, um vendaval deixou 800 estudantes sem aulas.

Em duas escolas estaduais de Porto Alegre e uma de Caxias do Sul, cujas aulas são em salas improvisadas em contêineres, os professores perceberam queda na frequência dos alunos. Ontem, as temperaturas pela manhã chegaram a 10ºC - anteontem, a sensação térmica era de -3ºC - e os alunos levavam até cobertores para os contêineres.

O diretor do Departamento Administrativo da Secretaria Estadual da Educação do Rio Grande do Sul, Claudio Somacal, reconhece que o ambiente não é propício à permanência de estudantes e diz que eles serão transferidos para prédios adequados até outubro.

Chuva. A enchente do Rio Ribeira de Iguape - causada pelas chuvas do início da semana na cabeceira do rio - atingiu, até o fim da tarde de ontem, mais de 10 mil pessoas em oito cidades no Vale do Ribeira, região sul paulista. As águas subiram até 10 metros e causaram uma onda de destruição desde Ribeira, na divisa com o Paraná, até Sete Barras, a mais de 100 km dali. No início da noite de ontem, as águas começavam a invadir bairros de Registro, a principal cidade da região. A Defesa Civil registrava 5,2 mil pessoas desabrigadas e 3,3 mil desalojadas, além de pelo menos 2 mil moradores ilhados na zona rural. Cerca de 4 mil moradias sofreram danos.

Em Registro, equipes da Defesa Civil e da prefeitura trabalhavam para evacuar as áreas atingidas pelas águas. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), autorizou o envio de apoio humanitário às cidades atingidas. Equipes da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil foram deslocadas para a região e a Sabesp enviou 50 mil litros de água para a população. / COLABORARAM JOSÉ MARIA TOMAZELA e EVANDRO FADEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.