No Rio, Teatro Municipal reabre sábado

Após um ano e meio fechado para reforma e prestes a completar 101 anos, cartão-postal da [br]cidade terá ''soft opening''

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2010 | 00h00

A sala do teatro está mais espaçosa

   

Aos que comparavam as obras do Teatro Municipal do Rio com as do Colón, em Buenos Aires - que só estão sendo concluídas após mais de três anos -, a boa-nova. A três meses de completar 101 anos, o principal palco do Rio está novo e será reaberto ao público no fim de semana, após um ano e meio com portas fechadas.

 

Veja também:

mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO - Galeria de fotos do Teatro Municipal

A reinauguração será em esquema de "soft opening" (abertura gradual). Coincidentemente, a reabertura de seu primo portenho, a maior casa de ópera da América Latina, está marcada para daqui a um mês.

Como o Colón, o Municipal deveria ter ficado pronto para seu centenário (o carioca foi inaugurado em 1909 e o de Buenos Aires, em 1908). Se na Argentina o atraso se deveu a desentendimentos de autoridades e à falta de verba, por aqui o que pesou foi o péssimo estado do prédio. Estimada em R$ 57 milhões, a obra custou R$ 70 milhões (R$ 5 milhões do Estado e R$ 65 milhões de patrocinadores).

Depois de uma grande descupinização, os trabalhos começaram pelo telhado. As falhas na cobertura de cobre, original e deteriorada, permitiam a passagem da chuva, que danificava pinturas do teto e tirando o sono da diretora recém-empossada, Carla Camurati. "Eu chorava tanto... Não acreditava que esse teatro fosse se desmanchar na minha mão", afirma.

Diante do palco. A sala está mais clara e espaçosa. Perderam-se 110 lugares, mas ganhou-se em conforto. Saiu o carpete e ficou o piso de madeira, que não absorve som; o revestimento das poltronas é de veludo rosa velho, em substituição ao couro - os ruídos eram alvo de críticas. Nas laterais do palco, foram reduzidos os camarotes para autoridades, que não estavam no projeto original e roubavam dois metros de cada lado.

No sábado, o teatro será aberto aos funcionários das obras e aos corpos artísticos. No domingo, o público vai conferir o resultado da obra. Estão programados o balé Carmen, com música de Bizet e coreografia de Roland Petit, e a Filarmônica de Dresden, na Alemanha.

A programação até o dia 26 de maio, quando termina o "soft opening", inclui apresentações da Orquestra Petrobrás Sinfônica e da bailarina de flamenco Eva Yerbabuena. A grande festa de reinauguração está marcada para o dia 27, com a presença confirmada do presidente Lula.

São Paulo

O Teatro Municipal paulistano está em obras desde julho de 2008. A fachada manterá as características de 1911, data da inauguração. A entrega está prometida para o centenário do teatro, no ano que vem.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.