No Rio, PMs matam em blitz e queimam corpo

Dois policiais militares são acusados de matar a tiros o eletricista Márcio da Conceição Ferreira, de 33 anos, que foi parado em uma blitz em São João do Meriti com dois amigos. Depois de assassiná-lo, os PMs queimaram seu corpo em uma cidade vizinha. O crime ocorreu na noite de quarta-feira. A Polícia Militar deve expulsar os policiais.

RIO, O Estado de S.Paulo

09 Dezembro 2011 | 03h04

O cabo André Luiz Rocha e o soldado Luiz Ricardo Gomes, ambos lotados no Batalhão de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, foram presos em flagrante. A motivação para o crime ainda não está clara - os PMs disseram ao depor que vão falar apenas na Justiça. O eletricista estava com dois amigos em um Fiat Stilo, que foi parado pelos PMs. Os três foram colocados contra a parede e dois tiros de fuzil foram disparados em Márcio. Um dos amigos dele correu e escapou; o outro foi levado para uma cabine da PM, perto da Rodovia Dutra, e liberado depois.

O corpo da vítima foi achado carbonizado na cidade de Belford Roxo, dentro do Fiat Stilo. Ele foi reconhecido por familiares por causa de um cordão de ouro. O GPS da viatura dos policiais confirmou que eles estavam no local da blitz quando o eletricista foi morto e uma testemunha os reconheceu. O cabo tem 14 anos de PM e o soldado, seis meses. Eles foram autuados por homicídio e ocultação de cadáver. / PEDRO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.