1. Usuário
Assine o Estadão
assine

No Paraguai, Abdelmassih comprou cota de avião

ANDREZA MATAIS - O Estado de S. Paulo

21 Agosto 2014 | 21h 29

BRASÍLIA - O ex-médico Roger Abdelmassih comprou cotas de uma aeronave enquanto esteve foragido no Paraguai. Segundo investigadores, o avião ficou um ano parado até ser vendido. O negócio teria causado prejuízo a Abdelmassih que, embora vivesse num aparente luxo, não tinha uma situação financeira confortável e acabou se desfazendo de bem para se capitalizar.

O Estado apurou que Abdelmassih também tentou fazer um empréstimo, mas não foi bem-sucedido. A mulher dele, Larissa Maria Sacco teria, inclusive, se movimentado para receber, em vida, uma herança a que tem direito para capitalizar o casal.

Clayton de Souza/Estadão
Luxo. Mercedes usada pela família continua na garagem da casa que era alugada pelo fugitivo em bairro nobre do Paraguai

Um dos objetivos da família era fugir do Paraguai para o Líbano ou a Itália, plano que não foi concretizado, entre outros motivos, pela falta de recursos. Abdelmassih ficou três anos foragido no Paraguai após fugir do Brasil ao ser condenado pelo estupro de dezena de mulheres.

A Polícia Federal chegou ao paradeiro do ex-médico com base em várias fontes. O Estado apurou, contudo, que a informação sobre o possível paradeiro foi repassada à PF por um jornalista que investigava o caso e tinha fontes no Ministério Público. O MP de São Paulo tinha informações sobre o possível paradeiro graças a uma interceptação telefônica no telefone de uma irmã do ex-médico, mas só teria comunicado à PF esse fato quando os investigadores já estavam no Paraguai.

Sobre a situação, na PF, o comentário nos bastidores é que "enquanto o MP procura, a PF prende." Procurada, a PF informou que chegou ao ex-médico com base em diversas fontes de informação e órgãos públicos. No nota que a instituição divulgou à imprensa quando da prisão do ex-médico, entretanto, a PF menciona apenas a parceira com a "Secretaria Nacional Antidrogas paraguaia (Senad)".

O Ministério Público informou, por meio da assessoria, que "todas as provas e indícios obtidos pelo Ministério Público do Estado de São Paulo que indicavam o paradeiro de Roger Abdelmassih no Paraguai foram compartilhados com a Polícia Federal, mediante autorização judicial."

O MP não informou, contudo, quando compartilhou as informações. "O procedimento tem o seu conteúdo resguardado por sigilo legal." Em nota, complementou: "A investigação contou, entre outros, com a colaboração da imprensa e o compartilhamento com a Polícia Federal fez-se necessário quando evidenciou-se o paradeiro do ex-médico além do território nacional".

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo