Caio Esteves/Jornal de Jundiaí Regional
Caio Esteves/Jornal de Jundiaí Regional

No interior de São Paulo, frota de carros cresce o dobro da capital

Rio Preto, Araçatuba e Jundiaí, por exemplo, já têm mais automóveis por habitante que SP

José Maria Tomazela, correspondente de O Estado de S.Paulo

10 Julho 2012 | 22h43

SOROCABA - A frota de veículos no interior do Estado e na Grande São Paulo já cresce mais que o dobro do que na capital paulista. O ritmo de crescimento paulistano vem caindo nos últimos quatro anos, conforme dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). De acordo com especialistas, enquanto a cidade de São Paulo não comporta mais carros, no interior há potencial para a frota crescer.

 

Em maio, dado mais recente, o número de veículos motorizados chegou a 23.520.527 em todo o Estado, dos quais 7.274.917 na capital. No período de um ano, houve acréscimo de 213.291 veículos na capital - crescimento de 3% - e de 1.159.526 fora de São Paulo - 7,6% mais. Só para comparar, o crescimento da população na capital é de 0,56% e no Estado, de 1,6% ao ano.

 

São José do Rio Preto lidera, proporcionalmente, o ranking de motorização, com 309.483 veículos (dados do Denatran de abril) para 408.435 habitantes (IBGE 2010), o que dá 1,31 habitante/automóvel.

 

A cidade tem 1,5 mil quilômetros de vias pavimentadas, mas o trânsito se concentra na região central. E o congestionamento não respeita mais horários. "Antigamente, a gente sabia que havia um horário de pico e tentava evitá-lo, mas hoje não tem mais isso. O trânsito fica pesado o dia todo e, quando chega o horário do rush da tarde, algumas avenidas praticamente param", diz o vendedor Marcos Augusto Ribeiro, morador de Catanduva, que trabalha em Rio Preto. "De uns anos para cá, tenho evitado visitar alguns clientes, principalmente no centro. Estou optando por fazer pedidos por telefone mesmo."

 

A prefeitura identificou 25 pontos de gargalo no tráfego. No início do ano, a Secretaria de Trânsito anunciou investimentos para sincronizar os semáforos, mas a medida deu pouco resultado. Um dos motivos é que a cidade recebe milhares de veículos de cidades vizinhas, cujos motoristas procuram Rio Preto para trabalhar, fazer compras ou buscar atendimento médico, uma vez que a cidade é referência em saúde.

 

Um dos problemas é a saída da Rodovia Washington Luís (SP-310) para a Avenida Alberto Andaló. O acesso entre as vias é insuficiente para receber tantos veículos, que param em fila na rodovia. A prefeitura já estuda com o governo do Estado uma maneira de construir uma alça para facilitar o trânsito local.

 

Queixas. Segunda colocada no ranking de motorização, Araçatuba tem 135.008 veículos para 181.618 habitantes - 1,34 habitante/veículo - e já convive com o trânsito complicado. Há dez anos, a proporção era de 2,37 moradores por carro. Valinhos e Águas de São Pedro, com 1,38 morador por veículo, também registram problemas de mobilidade. Destino turístico, Águas tem 1.945 carros para 2.703 habitantes. Já Ribeirão Preto registra 1,39 habitante/veículo e tem no trânsito dos horários de pico uma das principais causas de reclamações dos moradores.

 

Cidades como Rio Claro e Jundiaí (1,41 morador por veículo), Indaiatuba e Birigui (1,44), Araraquara (1,48), Atibaia (1,49) e Americana (1,50) também têm maior proporção de carros por habitante do que a capital (1,54).

 

Capital como modelo. Para solucionar os problemas viários que vêm surgindo, municípios têm recorrido a experiências já testadas em São Paulo. A Urbes, empresa municipal de trânsito de Sorocaba, por exemplo, anunciou em junho a intenção de instalar duas faixas exclusivas para ônibus, para reduzir o tempo das viagens. Nessa cidade, com frota de 321.333 veículos, o motorista enfrenta congestionamentos em todos os horários do dia, apesar de o tráfego de caminhões estar restrito à área urbana.

 

Em Jundiaí, a prefeitura vai abrir licitação para a construção de um Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), uma espécie de metrô de superfície. Enquanto isso, Limeira pretende restringir o tráfego no anel viário, a rota mais congestionada da cidade. / COLABOROU CHICO SIQUEIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO

Mais conteúdo sobre:
automóveis São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.