No IML, a tragédia de duas cidades

Luto

Marcelo Auler, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2010 | 00h00

Até o fim da manhã de ontem, Rogério Teixeira, de 35 anos, não havia conseguido localizar o corpo dos três sobrinhos que morreram na manhã de terça-feira, dentro de casa, na Comunidade de Caramujo, na zona norte de Niterói. Cassiane Sandra da Conceição, de 8 anos; Carolina Sandra da Conceição, de 10; e Alexandre da Silva Pinto, de 15, estavam em casa com o pai, Alexandre Teixeira, de 32 anos, quando a casa foi atingida pela avalanche. O pai foi resgatado vivo, com fratura na bacia.

O drama de Teixeira é o mesmo de outros moradores de Niterói. Como a cidade teve o maior numero de vítimas das chuvas nos últimos dias, o IML da cidade lotou e foi necessário transferir corpos para o do Rio. Segundo o tio, Cassiana foi resgatada terça-feira e Alexandre, na quarta, mas até ontem ele não sabia onde estavam os corpos.

Já David Amancio Júnior e Messias Chaves viveram outra situação dramática. Eles são, respectivamente, sobrinho e irmão do caseiro Antônio Chaves, de 46 anos, soterrado em um condomínio no bairro de Pendotiba, na região oceânica de Niterói, na terça-feira. Embora o corpo estivesse no IML do Rio, eles não conseguiram liberá-lo até o fim da manhã de ontem, por falta de documentos. Em consequência, desmarcaram o enterro agendado para ontem à tarde no Cemitério de Raiz da Serra, no município de Magé.

Quem não saiu do IML nos últimos dias, na tentativa de liberar corpos de parentes, foi Luiz Carlos de Souza Ribeiro, de 63 anos, morador da Rua Gomes Lopes, no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa, no Rio. No fundo do terreno onde se encontra a casa em que cresceu, havia três outras residências. Todas desabaram e, em consequência, sete pessoas morreram, sete estavam desaparecidas e seis sobreviveram, das quais quatro continuam hospitalizadas. "Eu tive de superar a dor dessas perdas, porque tinha de levar a notícia da morte de minha filha e de meu genro para minha outra filha, grávida, que mora no Vidigal", explicou Ribeiro, um diácono da Assembleia de Deus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.