Amanda Perobelli
Amanda Perobelli

Nem 'calor' de 19 graus desanima turistas em Campos do Jordão

Turistas ‘sonhavam’ com 7°C da meteorologia, mas dia de sol agradou sobretudo a famílias

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2017 | 04h00

O feriado prolongado começou com restaurantes lotados e multas selfies ao lado de relógios de rua no bairro Capivari, região badalada de Campos do Jordão, no interior do Estado de São Paulo. O destino turístico mais conhecido do inverno paulista ficou lotado de pessoas que esperavam os anúncios de baixas temperaturas para desfilar pelo calçadão do bairro vestindo roupas de frio em busca da culinária mais pesada – e adequada para o clima gelado.

Fato é que, embora o turista tenha lotado a cidade, o frio pesado passou longe dali. Nesta quinta-feira, na hora do almoço, os termômetros marcavam 19º C. “No fim de semana passado, tinham anunciado que faria 7º C em São Paulo. Por isso, combinamos ainda na semana passada de vir para cá no feriado”, contou o vendedor Gustavo Barbieri, de 38 anos, que estava com os filhos, a sogra e a namorada no calçadão do bairro. “Preferia que estivesse mais frio, mas assim está bom também, principalmente para as crianças.”

O “calor” de 19º C não desanimou quem já estava de touca, cachecol e casacos peludos. Nas mesas dos restaurantes, linguiças alemãs, pernis assados e fondues variados eram os pratos mais fáceis de serem vistos, sempre acompanhados de cervejas artesanais. 

“Não conhecia Campos do Jordão. Então combinamos de vir de última hora. Parece um passeio bem gostoso”, contou o personal trainer Vinícius Silva, de 23 anos, morador de Osasco, Grande São Paulo, que voltaria à região metropolitana ainda ontem. “Trabalho na sexta-feira.” 

Essa divisão entre a turma do “bate e volta” e os que passarão o feriado na cidade é nítida pelo fato de que a primeira turma parece maneirar na bebida – são três horas de estrada até a capital. “A gente sempre vem aqui, em vários feriados. Gostamos da tranquilidade, da segurança, da quantidade de pessoas na rua”, conta a pedagoga Kely Guimarães Rosa, de 40 anos, enquanto passeava com o marido, Ruy Valério Rosa, de 55. Planejavam voltar ainda ontem para Taubaté, município apenas uma hora distante de Campos.

Mas a quantidade de gente que buscou a cidade para o feriado também foi alta. “Estamos com uma ocupação de 105%”, brinca a funcionária de um dos hotéis da cidade, Emili Cação, de 38 anos. “O que aconteceu foi que muita gente fez reservas para o Dia dos Namorados. Esse público acabou ‘emendando’ com o pessoal que fez reservas para o Corpus Christi”, diz. 

Inverno. A expectativa é de que o movimento cresça ainda mais a partir do começo de julho, quando tem início o festival de inverno da cidade, que ocorre no Capivari. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.