Não é só a história que pode se perder

A distribuição espacial dos arquivos públicos municipais no Estado de São Paulo revela uma peculiar concentração. Em novembro de 2009, o governo estadual registrava que 67 dos 645 municípios eram dotados de arquivos públicos. As antigas áreas cafeeiras, Vale do Paraíba, regiões de Campinas, Araraquara, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, reúnem a maioria deles - 40 instituições. O litoral norte e a Baixada Santista somam número aproximado ao da região metropolitana da capital, com 8 e 9, respectivamente. O sudoeste, imensa área abaixo do Rio Tietê, vales dos Paranapanema e do Ribeira, além do litoral sul, contam apenas com 10 arquivos municipais.

Análise: Paulo Henrique Martinez, O Estado de S.Paulo

17 Abril 2010 | 00h00

O fator demográfico não parece determinante. Os pequenos municípios são quase a metade entre os que instituíram arquivos locais. O tamanho e a riqueza das cidades são menos decisivos do que a perspicácia cultural e política de governantes e da sociedade local. Esta constatação ganha aliados em outros exemplos. A pequenina Iepê possui singular museu arqueológico em padrões técnicos adequados. Tarumã tem arquivo municipal e um dinâmico centro cultural. Já Assis, polo regional, assiste indiferente à decomposição dos museus e a biblioteca municipal sonha eliminar a debilitada coleção de jornais locais.

Na década de 1960 surgiram arquivos e museus para preservar a história paulista. Hoje, a documentação escrita divide espaço com outros documentos. São patrimônios ferroviário, como o da Sorocabana, paisagístico e ambiental em poucas unidades de conservação no interior, a diversidade cultural dita imaterial, ao lado de registros audiovisuais, que pedem cuidados técnicos.

A compreensão da ocupação territorial, da vida social e econômica exige a preservação de rios, mangues, manchas de florestas e do cerrado paulista, aos quais estão ligados caiçaras, quilombolas, bairros rurais, cidades. O estudo amplo da biodiversidade foi iniciado na década de 1990. Estas áreas abrigam também testemunhos da presença indígena. Não é apenas a história que corre o risco de perder-se. A educação, a cultura, o meio ambiente, o turismo e a cidadania demandam aprendizados novos, políticas públicas consistentes e de gestão integrada.

PROFESSOR NO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.