1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Nº de beneficiados por tarifa social de água pode aumentar

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 03h 00

Presidente da Sabesp disse que pretende apresentar, ainda neste ano, proposta de revisão tarifária à agência reguladora do setor

Tarifa social custa um terço da taxa normal de água

Tarifa social custa um terço da taxa normal de água

SÃO PAULO - O presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Jerson Kelman, disse que pretende apresentar, ainda neste ano, uma proposta de revisão tarifária à agência reguladora do setor (Arsesp) para aumentar o número de consumidores beneficiados com a tarifa social, que custa um terço da taxa normal de água. 

Em entrevista publicada nesta segunda pelo jornal Valor Econômico, Kelman afirmou que cerca de 300 mil famílias pagam a tarifa reduzida - R$ 14 para quem consome até 10 mil litros por mês. A tarifa padrão para um cliente residencial com o mesmo consumo é de R$ 41,28. O dirigente afirmou que para isso será preciso aumentar a tarifa dos grandes consumidores, como empresas e indústrias.

O objetivo da proposta, segundo Kelman, é aumentar o teto de arrecadação da companhia para ampliar os investimentos em saneamento. “A tarifa é uma maneira de dividir custos. A Sabesp tem uma quantidade de custos para prestar o serviço que presta. Para prestar um serviço de qualidade, ela precisaria de uma receita maior. Uma receita maior significa uma tarifa maior”, afirmou.

Em agosto de 2015, o dirigente já havia defendido alterações na estrutura tarifária. Uma delas era modificar a tarifa mínima. Hoje, quem consome 500 litros ou 10 mil litros paga o mesmo valor. Para ele, essa lógica não incentiva a economia no consumo. Ele também já defendeu a cobrança separada de água e esgoto. Hoje, a mesma tarifa sobre a água consumida é cobrada de esgoto no imóvel. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX