Mulher que agrediu filha adotiva pode pagar multa

O Ministério Público Estadual (MPE) do Rio entrou ontem com representação cível na Justiça contra a procuradora de Justiça aposentada Vera Lúcia Sant"Anna Gomes, de 53 anos, acusada de agredir e torturar uma criança que estava provisoriamente sob sua guarda.

, O Estado de S.Paulo

29 Abril 2010 | 00h00

A vítima é uma criança de 2 anos e 10 meses, que foi levada de volta ao abrigo onde morava antes de ser adotada. Na ação, os promotores pedem que Vera Lúcia pague multa por ter descumprido "os deveres inerentes ao poder familiar ou decorrentes de tutela ou guarda", como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

As Promotorias de Infância e Juventude da Capital pretendem ingressar nos próximos dias com ação de indenização por danos morais, por causa das humilhações e ofensas sofridas pela criança. A criança foi encontrada no apartamento de Vera Lúcia, em Ipanema, na zona sul da cidade, pelo Conselho Tutelar no dia 14.

A menina tinha hematomas em todo o rosto. Ex-funcionárias da procuradora fizeram a denúncia. O advogado dela, Jair Leite Pereira, negou que a cliente tenha agredido ou torturado a menina. "Minha cliente saiu para resolver coisas na rua e quando voltou a empregada disse que ela tinha caído e batido a cabeça na mesa." / PRISCILA TRINDADE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.