1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Mulher guardou o corpo do marido por 10 horas antes de esquartejá-lo

estadão.com.br

06 Junho 2012 | 12h 57

Em depoimento, Elize Matsunaga confessa o assassinato, diz que agiu sozinha e foi motivada por ciúme; polícia não acredita em crime premeditado

Atualizado às 18h10

A bacharel em Direito Elize Araújo Kiutano Matsunaga, de 38 anos, confessou em depoimento ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que matou e esquartejou o marido Marcos Kitano Matsunaga, de 42 anos, diretor da Yoki, por ciúmes.

Após oito horas de depoimento, o diretor do DHPP, Jorge Carlos Carrasco, diz que não há dúvidas em relação à autoria do crime e acredita que o assassinato não foi premeditado. Elize afirmou que realizou tudo sozinha e atirou contra o marido após uma discussão. Uma perícia será realizada ainda hoje no apartamento onde ocorreu o crime.

Segundo Carrasco, Elize teria usado técnicas aprendidas ao trabalhar em um centro cirúrgico para desmembrar o corpo, deixando o cadáver em um quarto durante 10 horas antes de esquartejá-lo na cobertura do casal, na Vila Leopoldina. A arma - uma pistola 380 - e a faca - com uma lâmina de 30 centímetros - usadas no assassinato, embora ainda não tenham sido localizadas, devem ser analisadas quando forem encontradas. Elize apontou os locais com as provas durante o depoimento.

As malas usadas para carregar as partes do corpo também não foram encontradas. Os restos mortais da vítima foram espalhados paulatinamente por Cotia e as malas deixadas em outro local, afirmou Carrasco.

A prisão temporária de Elize, ocorrida na segunda-feira, 4, será prorrogada por mais 15 dias. A reconstituição do crime não será realizada hoje. Ela deve ser indiciada por homicídio qualificado, com ocultação de cadáver. Até o depoimento desta quarta-feira, Elize negava o crime. De acordo com a polícia, ela contratou um detetive particular para seguir o marido e descobriu seguidas traições.

Família Yoki. Marcos é neto do fundador da Yoki, Yoshizo Kitano. A empresa esteve envolvida em um conturbado processo de venda que terminou na  semana passada com sua aquisição, por R$ 1,95 bilhão, pelo grupo americano General Mills, um dos maiores conglomerados de produtos de gêneros alimentícios do mundo – enquanto Marcos ainda estava desaparecido.

O empresário deixou um seguro de vida de R$ 600 mil, que tinha a mulher como uma das beneficiárias. Elize e Matsunaga eram casados havia dois anos e tinham uma filha de 1. Foi o segundo casamento dele, que tinha outra filha do relacionamento anterior.

Indícios. Entre os fatos que levaram a polícia a desconfiar de Elize, estão imagens de vídeo que mostram Matsunaga entrando no prédio em que moravam às 18h30 do dia 19, com a mulher, a babá e a filha, de 1 ano, vindos do aeroporto, segundo a polícia. Ele desceu uma hora depois para buscar uma pizza e voltou ao apartamento. Depois disso, não saiu mais com vida.

No dia seguinte, depois de dar folga à baba no período noturno, Elize deixou o prédio pelo elevador de serviço, às 11h30, carregando três malas. Retornou às 23h50, já sem as malas. À polícia, ela disse informalmente que pretendia viajar para o Paraná, onde nasceu, mas desistiu no meio do caminho.

Segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Elize doou à Guarda Civil Metropolitana, após o crime, uma pistola 765, de mesmo calibre da que foi usada para matar o empresário. Segundo a polícia, ela era exímia atiradora, assim como o marido, que foi morto com um tiro à queima-roupa no lado esquerdo da cabeça. Ela é destra. Ele era colecionador de armas. Exames de balística vão dizer se o projétil encontrado no crânio foi disparado pela arma doada por Elize.

As investigações da polícia mostraram que partes do corpo do empresário foram congeladas antes de o assassino se desfazer delas, paulatinamente. Elas estavam em sacos plásticos. A polícia disse que o apartamento do casal tinha mais de um freezer.

  • Tags: