1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

MTST convoca atos contra aumento da tarifa em apoio ao MPL

- Atualizado: 18 Janeiro 2016 | 18h 59

As concentrações são no Metrô Itaquera, na zona leste de São Paulo, e no Metrô Capão Redondo, na zona sul

SÃO PAULO - O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) marcou dois protestos simultâneos contra o aumento da tarifa às 17 horas desta terça-feira, 19. As concentrações são no Metrô Itaquera, na zona leste de São Paulo, e no Metrô Capão Redondo, na zona sul. No mesmo horário, o Movimento Passe Livre (MPL) vai realizar o 4º ato, que tem início no cruzamento das Avenidas Faria Lima e Rebouças, na zona oeste.

Esta é a primeira vez que os trabalhadores sem teto saem às ruas em 2016. O coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos, disse que o movimento decidiu apoiar a causa porque o aumento da tarifa afeta, principalmente, a periferia. A expectativa de Boulos é que os dois atos somem 10 mil membros do MTST.

“Esta é uma pauta que toca diretamente o povo que se organiza no MTST e nos movimentos populares da periferia. O povo da periferia é o mais afetado pelo aumento da passagem e pela qualidade do transporte público”, afirmou.

A princípio, conforme o coordenador, o grupo não vai divulgar o trajeto. “O MTST é solidário à repressão que foi feita nos atos e considera ilegítima essa leitura enviesada da Constituição. Isso (obrigação de divulgar o trajeto) é um disparate. O MTST também não aceita isso”, destacou.

Confira o preço da passagem de ônibus nas capitais do País
José Patrício/Estadão
Passagens de ônibus nas capitais do País

Várias cidades do País aproveitam o início do ano para reajustar a tarifa do transporte público. Em São Paulo, o anúncio do aumento foi feito pelo prefeito Fernando Haddad (PT) e pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) no fim de 2015. Confira a seguir o preço da passagem nas capitais brasileiras e prepare o bolso:

Boulos lembrou que o MTST esteve nas ruas pela revogação da tarifa nos protestos de 2013 e de 2015. No dia 9 de janeiro, as tarifas de ônibus, metrô e trem subiram de R$ 3,50 para R$ 3,80.

A militante do MPL, Luize Tavares, disse que os atos do MTST são positivos e lembrou que a pauta pela revogação da tarifa é de todos, e não somente do Passe Livre. Segundo ela, os protestos dos trabalhadores sem teto são bons como uma forma de sair do centro da cidade e espalhar a demanda para todos, “principalmente os mais afetados”

“A luta é de todos e a gente sempre vai achar bom que as pessoas se mobilizem. O MPL é só mais uma ferramenta, não é dono dessa pauta. A pauta é da cidade e as pessoas têm que se organizar para além do MPL”, disse.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX