1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

MPL volta às ruas com shows e debates no centro de São Paulo

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 20h 00

Segundo militante, grupo não tem protestos marcados, como os que ocorreram em janeiro, mas continuará a fazer atividades

Grupo de cerca de 200 pessoas acompanhava o ato no Teatro Municipal 

Grupo de cerca de 200 pessoas acompanhava o ato no Teatro Municipal 

SÃO PAULO - Após mais de um mês longe das ruas de São Paulo, o Movimento Passe Livre (MPL) fez nesta quinta-feira, 25, um ato contra as tarifas de transporte público que envolveu shows e debates. O local marcado para receber o evento foi o Teatro Municipal, na região central.

"O Festival Pula Catraca é o encerramento de um dia de discussões sobre a tarifa do transporte que a gente teve hoje, o grande dia da mobilização, em várias regiões da cidade", afirmou Letícia Cardoso, de 20 anos, militante do MPL. Segundo ela, o grupo não tem um protesto como os de janeiro marcado. "A gente não tem nada programado, mas isso não significa que a gente vai sair das ruas. Nós vamos continuar com as discussões e fazendo inúmeras atividades", disse Letícia. 

Artistas como MC Brankim e Issa Paz começaram a se apresentar a partir das 19h. Um grupo de cerca de 200 pessoas acompanhava o ato.

"Também sou pai de família e minha mulher pega transporte público. Às vezes tem que escolher entre o dinheiro da passagem e o arroz e o ovo", disse MC Brankim antes de iniciar sua apresentação. Ele é criador de um dos hinos dos protestos do MPL, que foi cantado por quem acompanhava o show: "eu tô boladão, não vou deixar o Geraldo aumentar a tarifa não; não vou deixar o Haddad aumentar o meu busão".

A polícia acompanhava o movimento de longe. O clima era tranquilo até as 20 horas.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX