1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Adesão cai e MPL faz ato pacífico contra alta da tarifa

- Atualizado: 27 Janeiro 2016 | 00h 32

Mais uma vez, movimento se recusou a divulgar trajeto, mas faz acordo com a Polícia Militar

Atualizado à 00:32

SÃO PAULO - O Movimento Passe Livre (MPL) fez nesta terça-feira, 26, em São Paulo o 6.º ato contra o aumento da tarifa de ônibus, trens e metrô neste ano. O grupo mais uma vez não divulgou com antecedência o percurso do protesto, como determinado pela Secretaria da Segurança Pública, mas entrou em acordo com a Polícia Militar. Com baixa adesão, a passeata começou às 17h, na Estação da Luz, e acabou às 20h30, na frente da Câmara Municipal, sem registro de incidentes nem detidos. A tarifa foi reajustada de R$ 3,50 para R$ 3,80 no dia 9.

Segundo a Secretaria da Segurança, cerca de 250 pessoas participaram do ato, um dos menores promovidos pelo grupo. Integrantes do MPL não divulgaram números, mas culparam a polícia pelo fracasso do protesto.

“Essa baixa adesão é resultado da estratégia policial de jogar bombas e reprimir as manifestações. As pessoas ficam com medo e não vão para a rua”, disse Fred Luca, militante do Passe Livre. “Vamos fazer uma reunião na quinta-feira e, depois, vamos fazer uma reavaliação. O MPL luta pela tarifa zero, barrar o aumento é uma das ações. A luta continua, mesmo se sairmos das ruas”, afirmou Luca.

Mais uma vez, o trajeto foi definido na concentração, apesar dos pedidos de divulgação antecipada feitos pelo governo estadual. Por volta das 17h30, a Tropa de Choque bloqueou a saída do Parque da Luz para a Avenida Tiradentes e revistou a mochila de manifestantes.

Após acordo entre a PM e o MPL, a manifestação saiu por volta das 19 horas. Os manifestantes seguiram pela Rua Mauá e pelas Avenidas Cásper Líbero, Ipiranga e São Luís, e finalizaram a passeata na Câmara. A caminhada foi pacífica, mas uma fileira com cerca de 40 mascarados seguiu à frente do grupo. A PM escoltou os manifestantes durante todo o trajeto.

Inicialmente, o MPL informou que não aceitaria o trajeto da polícia, que propusera terminar a passeata na Assembleia Legislativa. “A PM não sugere, exige o trajeto que vamos seguir, e isso é inconstitucional”, afirmou Monique Felix, porta-voz do MPL. O tenente-coronel Francisco Camgerana, porém, aprovou a proposta feita pelo grupo. “Vamos fazer porque faz parte do trajeto proposto pela Secretaria da Segurança.”

6º ato do MPL em São Paulo
GABRIELA BILÓ / ESTADAO
6º ato do MPL em São Paulo

Apesar de mais uma vez haver impasse sobre a definição do trajeto, o Movimento Passe Livre (MPL) realizou nesta terça-feira, 26, em São Paulo o 6.º ato contra o aumento da tarifa de ônibus, trens e metrô. 

Moradores. O ato prejudicou quem estava saindo do trabalho, mas dividiu opiniões. A diarista Elenice Jesus dos Santos, de 61 anos, ficou sem pegar o ônibus na Avenida Ipiranga, de onde iria para o Jardim Ângela, zona sul. “Eu faço faxina a R$ 100 por dia e não é toda patroa que paga a passagem. Tem dias que pego ônibus e metrô e me custa mais de R$ 10. Para quem ganha o que eu ganho, aumentar o preço é um prejuízo.”

O comerciante Anderson de Moraes dos Santos, de 43 anos, reprovou o protesto na rua. “Atrapalha a vida de todo mundo e não consigo entender se eles protestam contra a tarifa ou contra a polícia. A conta de luz também está alta e não vejo ninguém reivindicar nada”, afirmou ele.

As Estações República e Anhangabaú do Metrô tiveram as portas fechadas. Na última, mascarados tentaram forçar a entrada a chutes, mas desistiram depois que a Polícia Militar chegou.

Ao chegar à Câmara, o grupo fez um jogral: “Na quinta-feira, a população convoca o prefeito (Fernando Haddad) e o governador (Geraldo Alckmin) a explicar o aumento, sem bomba. Amanhã vai ser maior”. O ato de quinta-feira está marcado para as 17h, no Largo do Paiçandu, no centro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX