1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Passe Livre convida Alckmin e Haddad para diálogo na quinta-feira

- Atualizado: 26 Janeiro 2016 | 18h 28

Objetivo é discutir revogação do aumento da passagem do transporte público; grupo realiza novo ato nesta terça-feira

SÃO PAULO - O Movimento Passe Livre (MPL) protocolou nesta segunda-feira, 25, um pedido de reunião aberta com o prefeito Fernando Haddad (PT) e o governo Geraldo Alckmin (PSDB) para discutir a revogação do aumento da passagem do transporte público. A intenção do grupo é fazer um protesto na próxima quinta-feira, 28, que partirá do Largo do Paiçandu, na região central, até a Prefeitura, onde a discussão poderia ocorrer em local aberto. Prefeito e governador negaram ter recebido os pedidos. 

O convite foi divulgado no mesmo dia em que será realizado o sexto grande ato contra o aumento da tarifa de R$ 3,50 para R$ 3,80 na capital, que partirá da Estação da Luz.

Rafael Siqueira (esq.), Luiza Citrynowitz (centro) e Letícia Cardoso, do MPL, conversam com jornalistas

Rafael Siqueira (esq.), Luiza Citrynowitz (centro) e Letícia Cardoso, do MPL, conversam com jornalistas

Mais uma vez o MPL decidiu não divulgar o trajeto da passeata, mesmo depois de a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP) ter cobrado qual seria o caminho percorrido. O entendimento do movimento é que permitir o controle da SSP sobre os rumos da manifestação seria um "retrocesso" à Constituição brasileira.

Os manifestantes consideram ainda que a discussão sobre divulgar ou não o trajeto é uma forma de "desviar o foco" do tema principal, o valor da passagem.

"A gente considera que é um retrocesso deixar a polícia e a Secretaria de Segurança Pública determinarem qual é o trajeto da manifestação. E é um retrocesso não só para a gente, como movimento, mas para todos os outros que se coloquem na cidade", disse a militante do MPL Luísa Cytrynowicz, de 20 anos.  "Eles estão tentando desviar o foco da discussão, que é a revogação imediata dos 30 centavos." 

Veja quais são as cidades que têm transporte com tarifa zero no Brasil
Marcos Arcoverde/Estadão
Transporte público gratuito

Maricá, no Rio de Janeiro, foi o primeiro município brasileiro com mais de 100 mil habitantes no Brasil a adotar a tarifa zero no transporte público. Veja a seguir os outros 11 municípios brasileiros que implementaram a medida

"A gente não consegue entender o que precisa ser regulamentado, já está regulamentado. A gente nem discute isso, a manifestação é um direito", defendeu Rafael Siqueira, de 40 anos, também militante do MPL.

Violência. O movimento negou ter jogado uma garrafa em Haddad na segunda-feira, 25, depois da missa de aniversário da cidade, na região central. "Em nenhum momento ninguém do Passe Livre tentou agredir o Haddad ou o Alckmin", disse Siqueira.

O entendimento do MPL é que o ato do movimento ensejou outras pessoas a se revoltar contra o prefeito. Eles voltaram a afirmar que a violência nas manifestações tem partido da polícia. "A ideia dos atos é ter começo, meio e fim. É nítido que a violência parte da polícia",  afirmou Letícia Cardoso, de 20 anos, também porta-voz do MPL.

Em protestos, estratégias da PM e de manifestantes variam de pedradas a blindados israelenses
Divulgação
Blindados Israelenses

Presentes na manifestação contra o aumento da tarifa, os blindados são equipados com sistemas não letais para dispersar tumultos: podem lançar jatos d'água, tinta e gás lacrimogêneo para conter black blocs e manifestantes violentos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX