MP quer arquivar apuração contra PMs

CASO ELOÁ

, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2010 | 00h00

O promotor Waldevino de Oliveira, que atua no Tribunal de Justiça Militar de São Paulo, pediu ontem o arquivamento do inquérito que apurava a atuação da Polícia Militar na libertação de Eloá Pimentel, mantida refém por 100 horas e depois assassinada pelo ex-namorado, Lindenberg Alves, em outubro de 2008. Oliveira concluiu que os policiais não agiram com imprudência ou negligência. Também não houve falta de cautela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.