WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Motoristas de vans escolares fazem protestos em SP

Categoria reivindica novo modelo de contratação do serviço

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2017 | 08h48

Motoristas de vans escolares gratuitas da Prefeitura de São Paulo fazem manifestação na manhã desta quinta-feira, 7, em vários locais da cidade.

Os perueiros que atendem o programa Transporte Escolar Gratuito (TEG) solicitam às autoridades nova licitação do serviço com contratação de carros por fretamentos e não por crianças.

Segundo Donay Neto, Presidente do Sindicato dos Transportes Escolares do Estado de São Paulo, houve queda no número de usuários do transporte escolar gratuito. 

"Na gestão passada o número de alunos que usavam o transporte escolar chegou a 100 mil, hoje temos 60 mil crianças"

Em nota, a Secretaria Municipal da Educação, informa que não houve mudança no programa de Transporte Escolar Gratuito.  Conforme comprova o relatório do Tribunal de Contas do Município (TCM), feito a pedido dos próprios transportadores, a Prefeitura de São Paulo apenas passou a exigir o cumprimento das normas estabelecida há anos. 

No texto, a Secretaria afirma que a auditoria do TCM concluída neste mês mostra que nenhum aluno com direito ao transporte escolar gratuito deixou de receber o benefício, nem houve redução nos pagamentos aos transportadores.

A Prefeitura disse ainda que está em contato com as lideranças dos manifestantes, mas reafirma que as regras do transporte escolar gratuito terão de ser cumpridas.

Desde às 7h, grupos de motoristas de vans escolares se dirigiam à Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu, onde pretendiam se concentrar. 

As vans trafegam a 10 km/h em fila por avenidas como Radial Leste, Aricanduva, Dalila, Nações Unidas, Jornalista Roberto Marinho e avenida senador Teotônio Vilela, para chamar a atenção da população para a questão.

De acordo Donay Neto, após a concentração na Praça Charles, os motoristas sairão em carreata para o Viaduto do Chá, na sede da Prefeitura de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.