Reuters
Reuters

Motorista do Uber é morto a facadas na zona sul de São Paulo

Não há informações sobre autor do crime; caso é investigado pelo 16º DP

O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2017 | 08h23

SÃO PAULO - Um motorista do Uber foi morto a facadas na madrugada desta sexta-feira, 6, no bairro da Saúde, na zona sul de São Paulo. Os policiais que encontraram a vítima caída ao lado do carro constataram que os autores do crime levaram o celular, mas deixaram a carteira do motorista no local. 

O homem, de 31 anos, estava na alameda dos Ubiatans, na altura do número 132. O Uber nega que ele estivesse trabalhando no momento em que foi agredido. 

O delegado Julio César de Almeida Teixeira, do 16º Distrito Policial (Vila Clementino), disse que testemunhas relataram que a vítima estava no carro com uma transexual. A vítima estava no banco dianteiro do lado do passageiro e a transexual no banco do motorista, quando começaram a discutir e entraram em luta corporal.

Um homem, que estava na rua, e presenciou a cena abordou os dois e se identificou como sendo policial. Ele deu ordem para que a transexual saísse do carro. O homem então entrou no veículo e começou a discutir com a vítima. "Segundo o relato das testemunhas, esse homem entrou no carro com um objeto que aparentava ser uma faca", disse Teixeira. 

O motorista teria saído do veículo e foi seguido pelo homem, que o agrediu com a faca. O motorista caiu ao chão ao lado do carro e foi encontrado por policiais militares inconsciente, mas ainda com vida. Ele foi encaminhado ao pronto-socorro Saboya, na zona sul, mas morreu no local.

"Trabalhamos com duas possibilidades para esse caso, latrocínio ou homicídio. Ainda não podemos dizer se levaram o celular da vítima porque foi um crime patrimonial, ou seja, tinham o interesse de levar algum bem. Ou se levaram o celular para subtrair uma prova que pudesse levar à identificação do autor ou autores do crime", disse o delegado. 

Ainda de acordo com Teixeira, a polícia ainda não identificou se a vítima estava realizando alguma corrida para o Uber no momento. Ele disse aguardar as informações da empresa para a investigação. 

O autor do crime não havia sido identificado até as 17h desta sexta-feira. 

Índice. Levantamento feito pelo Estado em novembro mostrou que ao menos três motoristas do Uber são assaltados por dia em São Paulo. De janeiro a outubro, os motoristas e passageiros do aplicativo já sofreram ao menos 271 roubos. Desses, 50 ocorreram até 29 de julho, data em que o aplicativo passou a aceitar dinheiro como pagamento – média de 7 casos por mês. De 30 de julho a 16 de outubro, a polícia contou 221 crimes – média de 88,4 por mês. São 2,7 casos por dia ou 1 caso a cada 8 horas (aumento de 1.162% em relação à média do período anterior).

Como comparação, é possível verificar que o crescimento dos casos envolvendo o Uber é bem maior do que o dos roubos no Estado. De janeiro a julho deste ano, a média mensal de roubos paulista foi de 26.666. Em agosto e em setembro, esse número ficou em 28.041, um aumento de 5,1% em relação à média anterior registrada.

 

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Uber Saúde Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.