reprodução Google Street View
reprodução Google Street View

Motorista arrasta e mata ciclista na Grande SP

Ciclista foi arrastado por mais de dois quilômetros; condutor ainda não foi identificado

Ana Paula Niederauer e Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 09h53
Atualizado 03 Setembro 2017 | 17h45

SÃO PAULO - Um motorista atropelou, arrastou por dois quilômetros e matou um ciclista na tarde de quarta-feira, em Osasco, na região oeste da Grande São Paulo. O pintor Gilmar Barbosa da Mata, de 45 anos, foi atingido por volta das 17h50, quando pedalava na Avenida Nações Unidas, no bairro Bonfim. Natural de Boquira, na Bahia, ele morava em São Paulo havia 18 anos e faria aniversário hoje. O motorista não foi identificado.

O incidente aconteceu no primeiro dia em que a vítima foi ao trabalho de bicicleta. Anteriormente, costumava utilizar o próprio carro no trajeto. De acordo com o irmão do ciclista, Nilton Barbosa da Mata, de 42 anos, ele havia se casado há cerca de 20 dias com a companheira com quem vivia. Ele era pai de dois jovens, de 6 e 14 anos. “Foi uma tragédia”, resumiu.

No momento do atropelamento, a vítima estava acompanhada do vizinho Lusimar Rodrigues Barbosa Júnior, de 23 anos, com quem voltava do trabalho em uma rede de hotéis no bairro do Morumbi, na zona sul de São Paulo. Segundo o rapaz, ambos atravessavam a avenida quando um veículo Renault Clio preto atingiu o pintor – ele estava um pouco atrás porque empurrava a bicicleta. Com o impacto, ele teria sido arremessado e caído no teto do carro, onde se segurou por mais de dois quilômetros até as proximidades do Complexo Viário Heróis de 1932, o Cebolão. 

Mata não resistiu aos ferimentos e morreu no local. O motorista fugiu e não prestou socorro. O caso foi registrado na 91.º Distrito Policial (Vila Leopoldina) como homicídio simples, mas deve ser encaminhado para o 9.° Distrito Policial de Osasco, que atende a região do local do atropelamento. 

De acordo com o delegado titular do 91.º DP, Elder Hamilton Leal, o autor do crime deve responder por homicídio doloso, com pena de 12 a 30 anos. “Fica caracterizado o dolo não pelo atropelamento em si, porque ele poderia ter parado logo em seguida e socorrido a vítima, como deve ser feito. Mas não, em vez disso, ele fez a fuga do local do acidente, o que caracteriza mais um crime, e ficou patente que ele teve a intenção do resultado assumido.”

Segundo Leal, a polícia vai rastrear o trajeto e tentar identificar registros feitos por câmeras de vigilância da região. “Peço a colaboração de todos: se alguém tiver alguma indicação, alguma informação, que ligue para o Disque-Denúncia.”

Enterro. A vítima trabalhava como pintor em uma rede de hotéis havia cerca de 17 anos. No ano passado, ele tinha indicado Barbosa Júnior para uma vaga de assistente de manutenção e costumava dar carona até o trabalho para o colega. Gilmar da Mata será sepultado no Cemitério Santo Antônio, em Osasco, por volta das 17 horas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.