JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Mortes no trânsito em SP caem 7% e os acidentes, 16%

Números mantêm tendência de queda observada desde 2015, mas óbitos de ciclistas aumentaram. Prefeitura pretende levar para outras avenidas medidas que deram resultado e levaram à redução dos casos na Estrada do M’Boi Mirim, por exemplo

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2018 | 03h00

Os números de acidentes e de mortes no trânsito da cidade de São Paulo tiveram queda no ano passado, segundo relatório anual da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) divulgado nessa quinta-feira, 12. No caso dos acidentes fatais, a redução é de 7%, de 813 casos em 2016 para 762 casos em 2017. Já o total de acidentes com vítimas, incluindo mortos e feridos, caiu 16%, de 16.052 registros em 2016 para 13.483 no último ano. 

Os números mantêm a tendência de queda nas mortes do trânsito na capital que vem sendo observada desde 2015. Entretanto, a variação porcentual foi a menor do período - em 2016, a queda havia sido de 13% e em 2015, de 20%.

O secretário municipal dos Transportes, João Octaviano, afirma que a diminuição do ritmo é “desafiadora” e indica a necessidade de “um refinamento das ações já tomadas para reduzir os acidentes”, uma vez que iniciativas de mais impacto já foram adotadas.

+ Com Rodoanel, CET quer nova restrição a caminhões

Ele cita como exemplo a campanha “M’Boi Segura”, um conjunto de ações de sinalização do trânsito e fiscalização de veículos feita por CET e Polícia Militar, além de campanhas educativas desenvolvidas na Estrada do M’Boi Mirim, no extremo sul, que era uma das campeãs de acidentes. Só ali, ocorreu uma queda de 22 mortes em 2016 para 7 no ano passado (68%).

“Vamos estender esse programa neste ano para as Avenidas Carlos Caldeira Filho, Belmira Marin, Teotônio Vilela e Estrada de Itapecerica (na zona sul) e para a Avenida Celso Garcia (na zona leste)”, disse o secretário. São todas vias no ranking de endereços com mais acidentes. 

+ Acidente na Régis Bittencourt mata três pessoas e deixa três feridos

Esse ranking ainda é liderado pela Marginal do Tietê. No mês passado, a CET já havia divulgado que as Marginais, vias que tiveram os limites de velocidade aumentados no ano passado, haviam tido aumento no número de mortes, somando 32 casos ante 26 registrados em 2016, na contramão do restante da cidade. A companhia argumentou que esse aumento era decorrente de ações de imprudência por parte dos motoristas. 

Tipo de vítima

Também na contramão dos resultados positivos, a CET apontou em 2017 um aumento do número de ciclistas mortos. O total subiu de 30 em 2016 para 37 no ano passado. É a única categoria em que houve aumento: no caso de motoristas e passageiros de veículos, motociclistas e pedestres, houve redução. O secretário pondera que se notou “aumento do número de ciclistas na cidade e esse modal passou a ter peso maior na matriz de mobilidade”. Além disso, afirma que, para este ano, a Prefeitura pretende buscar canais de diálogo para conscientizar a população sobre imprudências.

+ Deslizamento de pedra de 250 toneladas interdita Mogi-Bertioga pela 4ª vez no ano

Os motociclistas estiveram envolvidos em 8 mil acidentes no ano passado, ou 49% do total de ocorrências com vítimas. Eles responderam por 311 mortes, 39% do total. Para fazer o levantamento, a CET usa dados próprios, da Secretaria da Segurança Pública e da rede hospitalar da capital paulista. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.