1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Morros da Grande SP acumulam vítimas

- Atualizado: 11 Março 2016 | 23h 02

Francisco Morato tem oito mortos em bairros pobres e afastados

Barrancos e terrenos inclinados, em bairros mais afastados e pobres, foram o cenário das mortes na cidade de Francisco Morato, na Grande São Paulo. A prefeitura confirmou oito mortes e havia pelo menos dois desaparecidos até as 19 horas desta sexta. Em Mairiporã, um deslizamento resultou em pelo menos outras quatro mortes.

De acordo com a gestão municipal de Francisco Morato, foram encontradas duas vítimas na Rua Raul Pompeia, uma criança na Rua Pedro de Toledo, três mortos na Rua Irã e duas vítimas na Estrada do Porrete. No Jardim Alegria, duas pessoas ficaram feridas, conforme o boletim da Defesa Civil Municipal fechado às 19 horas desta sexta.

Chuvas deixam mortos na Grande São Paulo
Roberto Stuckert Filho/Divulgação
Franco da Rocha

A presidente Dilma Rousseff sobrevoou em 12 de março áreas atingidas pela enchente em Franco da Rocha, a 45 quilômetros da capital paulista

O Estado visitou os locais e constatou casas em barrancos ou em terrenos muito inclinados. Equipes do Corpo de Bombeiros eram vistas vistoriando áreas precárias. A prefeitura determinou que todas as escolas municipais suspendessem as aulas, de forma a liberar os prédios para eventuais atendimentos a vítimas.

Já nos bairros do Parque Náutico e Jardim Neri, em Mairiporã, as pessoas passaram toda a sexta-feira mais nas ruas do que em suas casas. Depois do deslizamento da barreira na Rua da Primavera, que deixou nove soterrados, o estado era de alerta. Até por volta das 19 horas, a Defesa Civil havia informado que 39 imóveis estavam interditados e 38 pessoas que não conseguiram alojar-se em casas de parentes estavam desabrigadas e provisoriamente instaladas no ginásio da cidade.

As mortes aconteceram por volta das 21 horas desta quinta-feira. O imóvel atingido tinha três andares, que eram separados em quatro casas. No andar superior, uma menina de 4 anos morreu soterrada. Outras seis pessoas que moravam ali ficaram soterradas, incluindo uma criança de 1 ano. Até as 19 horas, mais dois corpos haviam sido retirados dos destroços, um homem e uma mulher. Outro corpo, de criança, havia sido localizado.

Rodrigo Carvalho, que morava sozinho em uma casa no térreo, relatou que não estava no local na hora do deslizamento. O carro quebrou, por causa das chuvas, e ele só chegou depois da tragédia. “Perdi tudo, só consegui recuperar meus documentos. Mas foi muita sorte.”

Represa. Quatro dias após decretar o fim da crise hídrica, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) teve de abrir as comportas da Represa Paiva Castro, entre as cidades de Franco da Rocha e Mairiporã, para evitar o rompimento da barragem que integra o Sistema Cantareira. A abertura ocorreu às 6h30, quando o reservatório chegou a 99,4% da capacidade. Na quinta, o nível estava em 35%.

Desde as 2h30, a Sabesp já havia informado a Defesa Civil que o reservatório estava sendo operado no “modo de emergência”. Situação semelhante havia ocorrido pela última vez em janeiro de 2011. “Foi bom que tínhamos 65% do reservatório vazio. Isso significa que 5,5 bilhões de litros que estariam inundando as ruas de Franco da Rocha ficaram retidos no reservatório. Embora a tragédia seja grande, ela teria sido maior ainda se não existisse a Represa de Paiva Castro”, disse o presidente da Sabesp, Jerson Kelman. / COLABORARAM ADRIANA FERRAZ e FABIO LEITE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX