Moda animal invade passarelas de SP

Moda animal invade passarelas de SP

Pet Fashion Week reúne modelos de primeiro time, com pedigree; cães desfilam tendências, entre elas jaquetas com cristais Swarovski

Paulo Sampaio, O Estadao de S.Paulo

03 Abril 2010 | 00h00

Rebeca é uma modelo feliz. Nunca precisou comer apenas folhas de alface na hora do almoço nem acordar às 5 horas para fotografar ou correr o dia inteiro da agência para o estúdio, e dali para a passarela. "Au, au", late, altiva, em sua compleição de franzina Shnauzer.

Ela é uma das selecionadas que desfilarão na primeira semana de moda para animais domésticos do Brasil, a Pet Fashion Week, que será realizada nos dias 24 e 25 deste mês no Golden Hall do Sheraton WTC. Os organizadores garantem que não haverá cadelas anoréxicas na passarela (pode ser a chance de o empresário Paulo Borges e os estilistas da São Paulo Fashion Week tirarem boas lições de atenção à saúde das modelos).

"Os cachorros vão ficar em jejum antes de se apresentar, mas por poucas horas, para evitar um possível cocô na pista", diz Luís Antônio Rodrigues, do canil Splendido, que trabalha com animais de exposição. No jargão da categoria, Rodrigues é o handler (equivalente ao booker dos modelos humanos). Ele faz o casting, ou a seleção, dos participantes do desfile.

O diretor do evento, Rodrigo Rivellino, cerca os animais de cuidados para que nenhum deles apareça no camarim com olheiras, como as adolescentes que desfilam na SPFW. Ele explica que a patrulha com os pets é muito maior.

"Não existe possibilidade de transformá-los em simples cabides de roupas. Nós, particularmente, conversamos com inúmeras associações protetoras de animais e ONGs, para seguir todas as normas de conduta estipuladas por eles", diz Rivellino, que há um ano negociou em Nova York a produção paulistana do Pet Fashion Week. Lá, o evento já ocorre há cinco anos; em Tóquio, há dois.

Desfiles. No dia 24 serão dois desfiles - um para público pagante (R$ 35, a entrada) e outro para convidados. Rivellino e seus colaboradores esperam receber 8 mil pessoas. "A diferença no desfile para pets é a atmosfera 100% emocional. Ali as pessoas não estão identificadas com as modelos ou suas roupas. Elas vão porque amam seus animais", diz.

O cachorros serão conduzidos na passarela por modelos humanos, que neste dia deverão vestir tons neutros para não ofuscar o brilho das roupas apresentadas. Com um investimento de R$ 1,5 milhão, a PFW vai disponibilizar todo o aparato de uma semana de moda: camarim, sala de convivência, passarela de 21 metros (três a menos que a da SPFW) e pit de fotógrafos.

Como os participantes do desfile são animais de exposição, supõe-se que estejam acostumados com flashes e aglomerações de gente. Gilda, por exemplo, deve enfrentar bem o desafio de desfilar peças como uma jaqueta de patchwork bordada com cristais Swarovski ou um agasalho de alpaca peruana. Com apenas 2 anos de idade, ela participa de concursos de beleza desde os 3 meses de vida.

Os pequenos. Os melhores modelos para desfile são de raças que produzem cães pequenos, como a mexicana Chihuahua, a espanhola Podengo Ibicenco, a tcheca Cesky Terrier e a inglesa Sealyham Terrier. " É mais difícil imaginar um labrador vestindo uma saia jeans ou um casaco de plush com capuz para passear de iate", diz João Fraga, representante da marca canadense Romy & Jacob, frequentada por celebridades cinófilas, como Barbra Streisend e Mariah Carrey.

"É um evento de tendências e isso não quer dizer que a gente pretenda ficar no oba-oba. Estamos nos empenhando para fazer uma abordagem consistente, profissional, e ainda mostrar que o mercado brasileiro de moda pet tem competência para exportar", explica Rivellino.

Grifes. Participam do desfile sete grifes estrangeiras, três nacionais. Entre as mais conhecidas está a Manfred of Sweden, que seria uma espécie de Chanel. Um modelinho da grife pode custar U$ 50 mil. Na vitrine da Harrods, em Londres, há uma jaqueta em liquidação por U$ 20 mil.

Os donos das grifes procuram falar o mais sobriamente possível sobre o tema, para não parecer que são simples exploradores de animais. Como nos desfiles acompanhados de chás beneficentes de antigamente, fala-se muito em caridade. "Mandamos roupas e ajudamos diversos grupos que adotam animais sem dono e vira-latas", diz Manfred.

O próprio PFW pretende patrocinar o treinamento de um animal no Cão Guia Brasil, entidade sem fins lucrativos que trabalha com deficientes visuais.

Ao contrário de Gisele Bündchen ou Ana Cláudia Michels, que cobram fortunas para pisar na passarela, os modelos do PFW desfilam de graça. "Não ganhamos um centavo, só a troca de gentileza", diz, relativamente apaziguada, a treinadora Solange Loiola, do canil Kayla"s.

Sua preocupação é com Savana. A cadela King Charles Spainel, de 2 anos, que chegou há 20 dias dos Estados Unidos, é tímida. "Eu a levo para passear em lugares onde há bastante gente, para ver se a acostumo às vozes das pessoas e buzinas de carros, mas ela só entende quando se fala em inglês." Poor Savana.

O mercado dos pets

Dados levantados pela consultoria Euromonitor International:

12% é a taxa de crescimento mundial registrada por ano

US$ 9 bilhões é quantidade movimentada no Brasil por ano

R$ 1,5 milhão é o investimento previsto para o Pet Fashion Week de SP

3 grifes nacionais vão participar da versão paulistana do evento

As atrações

Ao longo de dois dias do Pet Fashion Week, haverá clínicas de dermatologia, obediência e moda; competições de tosa e uma exposição de roupas para cães, criados por estilistas brasileiros como Glória Coelho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.