Reprodução Facebook
Reprodução Facebook

Ministério Público abre investigação contra bloco de carnaval ‘Porão do Dops’

Divulgação tem sido feita por Facebook, onde organizadores dizem que haverá ‘cerveja, opressão, carne, opressão, marchinhas opressores’; promotoria alega apologia à tortura

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2018 | 15h17

O Ministério Público de São Paulo abriu investigação contra o bloco carnavalesco "Porão do Dops" - alusão ao Departamento de Ordem Política e Social, órgão de repressão política durante a ditadura, organizado pelo Movimento Direita São Paulo. O procedimento preparatório de inquérito (PPIC) foi aberto na terça-feira, 16, e alega, entre outros crimes, a apologia à tortura.

++ 'Praia urbana' do Bexiga é alvo de dois inquéritos abertos no MP

++ Novos blocos 'turbinam' carnaval de rua em SP

Marcado para sábado de carnaval, o evento do bloco no Facebook diz que "haverá cerveja, opressão, carne, opressão, marchinhas opressores". A foto da divulgação é do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do DOI-CODI e conhecido torturador. O MP pede a abertura de um inquérito policial e que o grupo pare a divulgação do evento.

+++ Ministério Público denuncia coronel Ustra pela terceira vez

O documento afirma que o problema do bloco não é a sua existência em si, visto que a Constituição garante o direito à liberdade de expressão. “O excesso que deve ser coibido e que viola direitos fundamentais se relaciona à divulgação e à apologia da tortura, que se expressa, dentre outras maneiras, na nomenclatura do bloco, que exalta o espaço físico onde a Comissão Nacional da Verdade apontou que aconteciam sessões de tortura contra opositores ao Governo Militar”, diz a portaria, assinada pelos promotores Beatriz Budin e Eduardo Valério.

Segundo o portal do Ministério Público, a Promotoria de Justiça de Direitos Humanos instaurou procedimento ao avaliar que a divulgação do evento viola os princípios da denominada Justiça de Transição (conjunto de medidas jurídicas, políticas, culturais e administrativas que visam à consolidação do regime democrático a partir das experiências históricas vividas no regime de exceção política), afronta os direitos à verdade e memória, enaltece a prática reiterada de tortura durante o período militar no Brasil, além de promover a apologia do crime de tortura.

++ Promotoria autoriza Odebrecht a pagar ‘multa’ com obras

Por meio de nota, o Movimento Direita São Paulo criticou o MP, cuja atuação estaria "cerceando a liberdade" deles. O texto manda ainda os promotores irem para a Venezuela.

"Não será a rixa e o proselitismo ideológico praticado pelos senhores, que deveriam conhecer a carta magna melhor do que ninguém, que vai nos dobrar", afirma o movimento.  

+++ ESPECIAL: Um fantasma ronda o Planalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.