1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Metroviários podem abrir mão de dia de salário por catraca livre

Proposta será votada em assembleia, afirmou presidente do sindicato da categoria durante reunião no TRT. Metrô não apresentou nova proposta e retirou as que havia feito

SÃO PAULO - O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres Júnior, se comprometeu no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da Segunda Região, no centro, a levar à assembleia da categoria a proposta de corte de ponto de um dia de trabalho em troca de uma operação da rede com catraca livre. A proposta se deu após Prazeres Júnior ser cobrado com veemência pela desembargadora Rilma Aparecida Hemetério sobre o descumprimento da decisão judicial de manter 100% da operação no horário de pico durante a greve da categoria. Os metroviários entraram em greve nesta quinta-feira, 5, por tempo indeterminado.

Ele havia contestado a decisão judicial afirmando que, dessa forma, a categoria perdia seu direito de greve. Rilma afirmou que só decidiu pelo índice de 100% porque o sindicato não cumpriu o seu dever legal de determinar, em conversas com o Metrô, um padrão mínimo de operação. "Eu não sou metroviária para saber o número ideal", disse a desembargadora, visivelmente irritada.

Rilma destacou os sérios prejuízos à população com o descumprimento da decisão e instigou Prazeres Júnior a apresentar um porcentual que ele achava justo. "Eu não posso dizer o porcentual, mas posso levar isso à categoria", disse Prazeres Júnior, antes de reforçar a proposta de catraca livre. A desembargadora, entretanto, disse que, mesmo se a população não pagasse a passagem, os custos para manter o metrô operando sairiam da coletividade.

"Por que a coletividade deve pagar para os senhores negociarem?", continuou a magistrada. Prazeres Júnior então afirmou que levaria à assembleia a proposta de corte de ponto, caso o Estado aceitasse a catraca livre.

Desde o começo da tensa reunião que ocorre no TRT, o Metrô mantém-se intransigente e não apresentou nova proposta aos metroviários, assim como retirou todas as já feitas, mas a reunião continua. A empresa requisitou dissídio econômico e trabalhista que ainda serão analisados.