1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Menina de 4 anos é morta e enterrada por padrasto na Grande SP

- Atualizado: 20 Janeiro 2016 | 13h 00

Criança foi espancada com chinelo e fio de nylon após defecar na cama; ela teve o corpo ocultado no quintal de casa, em Jandira

SÃO PAULO - Uma menina de quatro anos foi morta e enterrada no quintal de casa pelo padrasto em Jandira, na Grande São Paulo. Acusado de espancar e assassinar a garota, o ajudante João Paulo Bezerra da Silva, de 26 anos, foi preso após confessar o crime. A Polícia Civil também investiga a participação de Larissa Regina de Salles, de 19 anos, a mãe da criança.

Na segunda-feira, 18, Larissa foi até a delegacia da cidade registrar um boletim de ocorrência de desaparecimento da filha, Cíntia Cristina de Salles Neta, que, segundo ela, havia sumido no sábado. Os policiais notaram contradições no depoimento e questionaram por que a mãe não havia informado sobre o sumiço antes. Ela alegou que pensava ser preciso esperar 24 horas para fazer o registro.

A polícia investiga a participação da mãe da criança no crime em Jandira

A polícia investiga a participação da mãe da criança no crime em Jandira

Depois, os policiais foram até a casa da família, no bairro de Ouro Verde, em Jandira, e perceberam que a terra estava remexida no quintal. Acionados, os bombeiros escavaram o local e encontraram o corpo da criança enterrado.  

Silva foi chamado para depor e teria confessado ser responsável por matar e enterrar a enteada. Segundo depoimento, Larissa havia saído de casa no dia 31 de dezembro e deixado a menina sob cuidado do padrasto. Dois dias depois, o suspeito ficou irritado após a criança defecar na cama e usou um chinelo e um fio de nylon para bater nela.

Após o espancamento, o ajudante notou que Cíntia estava com febre e resolveu medicá-la com 50 gotas de analgésico. A criança, então, passou a transpirar muito e apresentou inchaço no abdome. Ao perceber que a menina não respirava, Silva resolveu esconder o corpo no quintal. Aos policiais, afirmou que não teve intenção de matar e que ocultou o cadáver por medo. Também disse que Larissa não sabia do crime.   

De acordo com testemunhas, o ajudante foi visto saindo de casa no dia seguinte, na companhia de uma filha do casal, de 2 anos. Quando Larissa voltou, no dia 4, encontrou a residência vazia. Em depoimento, ela disse que costumava deixar a criança sob cuidados do marido. Também afirmou que, às vezes, notava hematomas na menina e que Silva dizia que as marcas eram provocadas por quedas.

O ajudante retornou para casa na segunda-feira, 16. Ao ver que ele estava apenas com a caçula, Larissa perguntou sobre Cíntia e Silva respondeu que a criança havia sumido. Os policiais aguardam conclusão do laudo médico para indicar a causa da morte da menina.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX